0
Márcia Carvalho, assessora de comunicação do IAP, conta que a guitarra, ícone maior do bom e velho rock, ainda pulsa. Hoje, às 19 horas, no anfiteatro do Instituto de Artes do Pará, a guitarrada do Tocantins vai ecoar com o lançamento do CD “João Gonçalves e os Populares de Igarapé-Miri – O Guitarra de Ouro criador da Lambada“. A história é para lá de interessante. Nos anos 60, João Gonçalves ouvia rock no radinho. Mas também ouvia merengue e cumbia, lá do Caribe. Juntou amigos e montou uma banda. O nome já estava certo: “Os Populares de Igarapé-Miri“. O primeiro show só aconteceu três anos depois, num pequeno clube da cidade, mas o sucesso foi imediato. Empolgado, o presidente do tal clube arranjou convite para apresentação numa rádio em Belém. O radialista era – vejam só – Paulo Ronaldo, que improvisou estúdio em sua própria casa, onde mantinha a aparelhagem Xavante, para a primeira gravação do grupo. O primeiro sucesso foi “Lambada da Vassoura“, em 1971. Depois vieram “Lambada da Sereia” e “Carimbó do Peixe-Boi“. Aí surgiu convite para o primeiro elepê, “Lambadas Incrementadas“, que trouxe o hit Lambada do Tibúrcio“. Depois de intervalo, o grupo lançou “Lambadão“. O novo disco do grupo sai com selo Ná Figueredo e traz 18 músicas, entre inéditas e regravações, todas de autoria de João Gonçalves. Ao seu lado está outro mestre das guitarradas, Aldo Sena, e ainda Zé Maria (contrabaixo), Jairo (percussão), Gordo (bateria) e Waldeson (teclados). Hoje, aos 52 anos, visual chamativo com direito a jaqueta de couro, óculos escuros, topete e ar de “bad boy”, ele exibe com orgulho 13 discos gravados e o livro “O rock and roll – Origem, mitos e rock instrumental no Brasil e em outros países”, em que figura. Antes do show de lançamento haverá apresentação de Pio Lobato e Grupo Caburé. Guitarrista e produtor musical, Pio Lobato foi um dos principais responsáveis pela volta da guitarrada, ao produzir, em 2005, o disco Mestres da Guitarrada, de Vieira, Curica e Aldo Sena. Essas duas experiências bem distintas estão sendo compartilhadas durante o workshop Práticas de Guitarrada, realizado durante esta semana pelo IAP.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Ascom TRT 8ª é finalista

Anterior

Diagnóstico

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *