Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Grita dos funcionários do Banpará

O presidente do Banco do Estado do Pará,
esquecendo da lei e da natureza
jurídica da instituição, anda administrando
perigosamente
.
Através da Portaria nº 082, de 06.07.2012,
dobrou a gratificação exclusivamente das
funções de assessor de diretoria e assessor da presidência. Na sequência, via
portaria nº 097, de 10.06.2012, remanejou funcionários para funções
comissionadas, inclusive a Assessoria da Presidência do Banpará.
Com o quadro – integrado por 1.340
funcionários – em aflição permanente por conta da negativa dos direitos a que
faz jus (mais de 80% têm direito a algum tipo de comissão, mas o banco não quer
dar um tostão de reajuste), o Sindicato dos Bancários e a Associação dos
Funcionários denunciaram imediatamente a manobra, até porque contemplava, para
espanto geral, pessoa, digamos, ligada afetivamente ao presidente do banco, aí esbarrando forte na Súmula nº 13 do STF,
que trata do nepotismo. Alertado sobre o escândalo prestes a estourar nas redes
sociais, o presidente do Banpará revogou a segunda portaria.
O Conselho de
Administração e o Núcleo de Auditoria do banco precisam se manifestar acerca da
magnanimidade da presidência ao conceder aumento de 100% só para seus assessores, sem falar que os
privilegiados estão também desobrigados de registrar o ponto.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *