0
Curioso como, para muitos, as próximas eleições se configuram como um jogo de vaidades. Parece tratar-se do caso da candidatura do deputado Domingos Juvenil, do PMDB, ao governo. Bem como, aliás, o problema essencial da rixa entre os ex-governadores Jatene e Almir Gabriel, no PSDB. E, ainda, as angústias que deve estar vivendo José Priante, que pleitearia a vaga, pelo PMDB, não fosse precisar aguardar a decisão do TRE confirmando a sentença condenatória que cassou o prefeito Duciomar Costa para assumir, eventualmente, sua cadeira.

Juvenil pegou carona no descontentamento do seu partido diante da aliança com o PT, entabulada anteontem. Descontentamento de prefeitos e das principais lideranças do partido, que o deputado Jader tentou pacificar. Apressou-se e comunicou sua decisão a JB. Devia tratar-se de uma aspiração antiga e secreta. Priante, o candidato mais provável da legenda, ameaça bater chapa…

Um tanto mais curiosa foi a visita de Almir Gabriel, na calada da noite, ao gabinete do deputado Juvenil. Para que foi lá? Para aconselha-lo a ser candidato… Contra seu próprio partido…

Almir Gabriel é um caboclo cheio de ressentimento.

Simão Jatene, um caboclo cheio de preguiça.

Domingos Juvenil, um caboclo prosa.

José Priante, um caboclo enfezado.

Todos eles têm em comum a alguma vaidade que ativa seus movimentos. A vaidade de ocuparem o cargo mais importante do estado. São todos caboclos vaidosos.

JB, por sua vez é um caboclo esperto (e tem 40 anos de praia). Sabe que nada garante que seja eleito governador, caso venha a disputar o cargo, enquanto que, se disputar o senado, praticamente já tem a vaga.

E de fato, a sua veleidade pessoal deve ser exatamente essa: voltar ao lugar de onde saiu de forma tão fragilizada. Deve ser isso que lhe pesa mais que a veleidade de voltar ao governo. É difícil dizer; JB tem uma alma complexa.

E quanto à governadora Ana Júlia… Bem, ela, como já se sabe, é uma cabocla de sorte.

PSDB e PMDB divididos, as chances de reeleição da governadora Ana Júlia aumentam significativamente. E muito mais, ainda, se o PT conseguir formar a aliança com o PR e o PTB.

Bem, a única coisa certa é que a disputa pelo governo estará mais para disputa de egos que para disputa de idéias.”

(Fábio Castro, doutor em Sociologia, professor da Faculdade de Comunicação da UFPA e pesquisador, em

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Magistrado escritor

Anterior

Estreia na blogosfera

Próximo

Você pode gostar

Comentários