Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Faculdades vão obedecer prazo do Fies

Apesar de o Ministério da Educação ter estabelecido que o prazo de inscrição no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) vai até 30 de abril, estudantes denunciaram ao Ministério Público Federal e à Defensoria Pública que instituições de ensino de Belém só vão aceitar inscrições até 30 de março, e que os não inscritos até essa data terão que desistir dos cursos ou pagar as mensalidades. Ontem, a procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Melina Alves Tostes, expediu recomendação expressa à Escola Superior da Amazônia (Esamaz), Faculdade de Belém (Fabel), Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (Iesam) e Universidade da Amazônia (Unama) no sentido de que obedeçam a prorrogação do prazo, não cobrem juros ou multa (a isenção é garantida por norma do MEC) e deu cinco dias para se manifestarem. Se houver omissão ou a resposta for considerada insuficiente, o caso será levado ao Judiciário. 

Já as defensoras públicas Rossana Parente e Jeniffer Araújo adiantaram que, a partir da segunda-feira, 16, todos os defensores do Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria Pública do Estado vão concentrar esforços na documentação dos mais de 2.200 estudantes que buscaram assistência jurídica para resolver a questão e que não conseguiram fazer o aditamento dos contratos e nem a primeira contratação do Fies. Como a atuação é coletiva, ninguém precisa mais ir à instituição. Todas as faculdades vão receber uma Recomendação Extrajudicial conjunta da Defensoria Pública do Estado e Defensoria Pública da União no próximo dia 20, às 14 h, durante audiência pública no auditório João Batista, da Assembleia Legislativa. Qualquer decisão vai beneficiar a todos, mesmo aqueles que não puderem comparecer. 

A Unama/Grupo Ser Educacional já assinou a recomendação, em audiência de conciliação ontem. A partir de hoje se comprometeu em efetuar a rescisão dos contratos de prestação de serviços educacionais com os alunos que assim o desejarem, sem cobrar qualquer taxa, multa e mensalidade em atraso ou quaisquer outros valores.
Também é garantido pela Recomendação das Defensorias que o valor pago pelos alunos que quiserem cancelar a matrícula seja devolvido a cada um.
A vaga na instituição será garantida para todos os que optaram pelo pagamento através do Fies, sem taxas ou mensalidades. E a bolsa de estudos concedida pelo grupo Ser Educacional precisa ser garantida até o final do curso para os alunos que têm o documento “Termo de garantia de vaga”, para os que não obtiveram o Fies e sejam beneficiários de bolsas parciais de 50% concedidas pelo Prouni, de bolsas complementares e para quem está cursando ou vier a cursar licenciatura.
Uma medida importante é que a Unama tem que respeitar o índice de aumento autorizado pelo MEC de 6,4%, suspendendo qualquer taxa extra ou aumento das mensalidades em valor superior ao autorizado para todos os alunos que possuem Fies ou que se matricularam na esperança de conseguir o financiamento. 

Também terá que assegurar a todos os alunos matriculados a partir de 1º de dezembro de 2014 o direito de frequentar as aulas, realizar provas, testes e demais avaliações sem a cobrança de taxas. Outro ponto importante é que deve oferecer uma linha de crédito alternativa, com as mesmas regras do Fies.  A Recomendação determina, ainda, que a Unama retire de seu site todas as propagandas referentes ao Fies que possam induzir os estudantes a erro. A home page da universidade deve divulgar uma nota de esclarecimento informando aos alunos as providências tomadas, bem como do documento assinado no último dia 11 de março, além de veicular o Termo de Adesão e o Termo de Aditivo celebrado entre o Universo Professores Associados – pertencente ao grupo Ser educacional – e o Ministério da Educação.
A Unama e o Grupo Ser Educacional devem atender a todos os pontos da Recomendação até o dia 30 deste mês. 

A audiência de conciliação contou com a participação dos defensores públicos Jeniffer Araújo, Johny Giffoni, José Arruda e Rodrigo Ayan, com a coordenação dos defensores do Nucon. 

Gesilda Ribeiro, estudante do curso de Farmácia da Unama, é uma das envolvidas nesse drama. “Eles entraram na sala e disseram que a gente tem que pagar, que a culpa não é deles. A culpa não é minha também e eu não posso pagar porque nem contrato eles querem me dar”, relatou.
O estudante de Direito da Faculdade de Belém (Fabel), Davi Lopes, teve que pagar todo o segundo semestre de 2014 para então fazer a matrícula de 2015. “A faculdade me forçou a pagar uma quantia de quase seis mil reais. Eu tive que pagar, pois já estou no último semestre e não posso ser prejudicado. Quero meu dinheiro de volta”, reclamou.
A mesma situação acontece com o estudante de Ciências da Computação da Faculdade Pan Amazônica (Fapan), Everton Souza. Ele pagou tudo o que a faculdade mandou só que agora quer o ressarcimento desse valor. “Eu não tenho como pagar todo o curso, se eu tivesse não iria solicitar o Fies”, argumentou.
Alice Paiva, mãe de uma aluna do Centro Universitário do Pará (Cesupa) do curso de Medicina, ressaltou que o Departamento Financeiro da faculdade está exigindo que ela pague a diferença de juros. “Minha filha já está quase se formando e agora acontece todo esse problema. É uma falta de respeito. Eles não podem impedir que ela estude”, denunciou. 

 Leiam aqui a íntegra da recomendação do MPF.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *