Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Enredo burlesco

Mônica Pinto foi admitida na Assembleia Legislativa em 1995, quando era presidente o hoje deputado federal e chefe da Casa Civil Zenaldo Coutinho (PDSB). De lá para cá, galgou poder de mando impressionante, por motivos inexplicáveis à nossa vã inteligência.  
Ano passado, por razões obscuras, caiu em desgraça. Foi quando “se licenciou” – o que, sabe-se, não é possível no mundo do direito a servidores comissionados – e, – pasmem! – só voltou há poucos dias, quando soube pela imprensa que estava exonerada.
Nesse ínterim usufruiu de todos os benefícios que muitos servidores de carreira jamais cogitaram muito menos conseguiram; admitiu e gratificou seus afetos, exonerou e perseguiu desafetos, o que lhe rendeu denúncia por assédio moral na Justiça comum e a indesejável publicidade em torno de seus atos.
Teria feito tudo sozinha? Parece pouquíssimo provável.
Quantos talonários de vale refeição, a R$600 cada, são adquiridos pela Alepa? E de qual empresa? Quantas cestas básicas? E quem as recebe?
Qual é a empresa fornecedora de equipamentos, suprimentos, peças, assistência técnica de informática? De serviços de manutenção de elevadores? De prestação de serviços de limpeza? De móveis e material de expediente?
Perguntem para Mônica Pinto. Ela é a Geni da vez, mas sabe tudo isso e muito mais. Quem sabe não passa de vilã a heroína nessa história mal contada e que todos os contribuintes parauaras querem e merecem saber?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *