0

Entre 2004 e 2008 3.558 crianças e adolescentes vítimas de violência sexual foram atendidas pelo Pró-Paz, do governo do Estado, um indicativo da dimensão do crime no Pará. Entre 1º de janeiro e 15 de maio deste ano, o programa atendeu 441 vítimas. Ainda tramitam no Tribunal de Justiça do Estado 1.559 processos relacionados a estupro e atentado violento ao pudor, embora o Judiciário não tenha informado até hoje o número de condenações. A impunidade fortalece o crime. A infância não pode estar ameaçada pela omissão e por denúncias não apuradas. Se o Poder Legislativo tem como uma de suas funções fiscalizar as ações do Executivo, é preciso se colocar também na posição de parceiro nessa luta. Queremos participar do plano de enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes.”
(Deputada Regina Barata, líder da bancada do PT na Alepa, hoje)

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Exemplo de cidadania

Anterior

Infância roubada

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *