0
O Conselho de Pais da Escola Justo Chermont volta amanhã ao Ministério Público a fim de cobrar o andamento da ação cível protocolada no final da semana passada, pedindo o imediato retorno às aulas.

Levantamento da Seduc mostra que 58% das escolas da Região Metropolitana de Belém funcionaram normalmente hoje. No interior do Estado, o funcionamento foi de 56%, segundo os gestores das Unidades Regionais de Educação (URE).

Um grupo da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e União Metropolitana de Estudantes Secundaristas (Umes) pediu ao secretário de Educação, Luís Cavalcante, a criação de grêmios estudantis.
Os estudantes são contra a greve e afirmam que “os mais prejudicados são os estudantes de ensino médio, que vão fazer o vestibular e já passaram por três paralisações desde o primeiro ano. Não dá para repor as aulas em julho e dezembro, porque é muita coisa para ver e fica muito corrido. “
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Entrevista coletiva

Anterior

Rita roi o roto

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *