O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

A Educação, bem maior

O secretário adjunto de Logística Escolar da Seduc, José Croelhas, telefonou e e-meiou ao blog para esclarecer, a respeito do post Socorro, governador!, que “das 3.814 escolas que não dispõem de energia elétrica no Pará, 54 (e não todas!) integram a rede da Seduc, estando essas nesta situação em razão de fatores que não dependem exclusivamente das providências da Secretaria de Educação. 3.753 dessas escolas pertencem às redes municipais. Estamos sim, portanto, de forma responsável e sistemática, avaliando caso a caso para atender essas unidades da melhor forma possível. A ausência de recursos orçamentários para esta finalidade no orçamento 2011 (elaborado, ressalte-se, pelo governo anterior) é um fator limitante sim, mas isto não significa deixar de perseguir fontes alternativas de financiamento para os projetos. Estamos trabalhando nisso. Informo, outrossim, que desde que assumi  a Logística (SALE), em abril, já estive em mais de 60 (sessenta) escolas, inclusive em longínquos interiores, encaminhando providências que venham atenuar as dificuldades enfrentadas por nossos alunos, professores e servidores em geral. Infelizmente, neste primeiro semestre as ações emergenciais dominaram os trabalhos na Seduc. Educação de qualidade é um compromisso do governo Simão Jatene. Lamentavelmente, não dá pra fazer tudo a um só tempo…”
Como disse a Croelhas, o problema é que, estaduais ou municipais as escolas em sua maioria, mais importante é a situação enfrentada pelas nossas crianças e adolescentes, que merecem estudar com dignidade. Principalmente as ribeirinhas – cuja dificuldade de acesso à cidadania começa pela geografia -, que passam por todo tipo de privação.
As urgentes questões da educação e a precariedade das escolas e do ensino fundamental e médio no Pará, é óbvio, não começaram agora, são muito antigas, fruto de uma política nacional equivocada, que não investe em um modelo que priorize a educação independente dos partidos e do governo, que trate a educação como política de Estado, com participação efetiva da sociedade, através das famílias e comunidades escolares. Gasta-se em educação – por causa da má gestão – ao invés de aplicar nela recursos financeiros, humanos e tecnológicos que permitam um salto de qualidade, cujos resultados certamente refletirão no próprio desempenho nacional.
Quando ministros, presidentes, reis, príncipes e chefes de Estado estrangeiros, celebridades e bilionários visitam o Pará, são levados a ver as escolas novas, assistir à pujança e beleza do carimbó e outros ritmos. Deveriam ser mostradas as escolas mais necessitadas, onde os professores chegam descalços e com água até os joelhos, nas quais a água consumida é a do rio, armazenada em potes sem tratamento, e o banheiro é uma casinhola com buraco fétido. Para denegrir a imagem do Pará? Não! Para que percebam que precisamos de ajuda, que a carência é enorme, que somos seres humanos que merecem viver com um mínimo de decência, que não somos bichinhos exóticos a se exibir aos conquistadores.
O exercício da cidadania começa e só se concretiza através da educação. Já passou da hora dos discursos, é preciso ação. Por que será que os filhos dos políticos não estudam em escolas públicas, se todos falam tanto em engajamento nessa luta? Pensem nisso nas próximas eleições. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *