Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A educação abandonada

“Boa notícia, Franssinete, mas será que um dia você poderia abrir a temática aqui na sua página ao tema da educação pública, aí na terra querida? Conservação do patrimônio escolar, seleção criteriosa dos professores, condições de trabalho, segurança e remuneração, além do prestígio da comunidade à escola e aos seus mediadores são tão importantes quanto entregar ao cidadão/eleitor uma estrada pavimentada. Boa escola pública prepara o terreno das gerações de hoje e deixará na história o nome de quem investir em educação.
Quando estive em Belém, ainda no começo de 2010, as condições do antigo Grupo Escolar Barão do Rio Branco, localizado em plena Generalíssimo Deodoro – o coração do bairro de Nazaré! – eram deploráveis. Abandono completo. Estudei parte do primário nessa escola e ao passar em frente ao querido prédio escolar fiquei entristecida ao vê-lo tão abandonado e destituído de cuidados.
A mesma sensação senti ao passar em frente ao Colégio Augusto Meira e Instituto de Educação Deodoro de Mendonça, locais marcantes da minha vida estudantil, ainda residente em Belém. Posso contar com você nessa conversa virtual sobre o tema, assim como na estocada vibrante nos administradores públicos da nossa terra paraense? Verbas educacionais estão nos cofres do governo; têm finalidades diversas e exigem olhos atentos na aplicação devida, concorda comigo?
Abração de parauara saudosa.”
(Doralice Araújo, alenquerense radicada em Curitiba, comentarista do blog)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *