Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

A educação abandonada

“Boa notícia, Franssinete, mas será que um dia você poderia abrir a temática aqui na sua página ao tema da educação pública, aí na terra querida? Conservação do patrimônio escolar, seleção criteriosa dos professores, condições de trabalho, segurança e remuneração, além do prestígio da comunidade à escola e aos seus mediadores são tão importantes quanto entregar ao cidadão/eleitor uma estrada pavimentada. Boa escola pública prepara o terreno das gerações de hoje e deixará na história o nome de quem investir em educação.
Quando estive em Belém, ainda no começo de 2010, as condições do antigo Grupo Escolar Barão do Rio Branco, localizado em plena Generalíssimo Deodoro – o coração do bairro de Nazaré! – eram deploráveis. Abandono completo. Estudei parte do primário nessa escola e ao passar em frente ao querido prédio escolar fiquei entristecida ao vê-lo tão abandonado e destituído de cuidados.
A mesma sensação senti ao passar em frente ao Colégio Augusto Meira e Instituto de Educação Deodoro de Mendonça, locais marcantes da minha vida estudantil, ainda residente em Belém. Posso contar com você nessa conversa virtual sobre o tema, assim como na estocada vibrante nos administradores públicos da nossa terra paraense? Verbas educacionais estão nos cofres do governo; têm finalidades diversas e exigem olhos atentos na aplicação devida, concorda comigo?
Abração de parauara saudosa.”
(Doralice Araújo, alenquerense radicada em Curitiba, comentarista do blog)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *