A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Drogas em apês no centro de Belém

Foto: ascom da Polícia Civil
Durante operação da Divisão Estadual de Narcóticos em Belém, na quinta-feira (24) à tarde, a polícia civil do Pará descobriu maconha plantada em estufas, com iluminação por lâmpadas fluorescentes, climatização com aparelhos de ar-condicionado, adubos e insumos no apartamento de prédio na Av. Gentil Bittencourt, bairro de Nazaré, em outro apartamento na rua Rodolfo Chermont, bairro da Marambaia, e em uma casa na travessa Castelo Branco, bairro do Guamá. Foram presos Hélio Bezerra Pontes, 32 anos (dono de apartamento no bairro da Cidade Velha e responsável pelo aluguel de outros imóveis para o tráfico de drogas) e Juliana Régis Dias Ferreira, 32. Os dois não moravam nos locais usados para o cultivo da erva, e costumavam mudar constantemente de endereço. Também foram apreendidas drogas sintéticas (comprimidos de ecstasy e cartelas de LSD) nos imóveis. As drogas eram fornecidas para eventos, tais como festas com música eletrônica (raves). 

Conforme o delegado-geral de Polícia Civil, Rilmar Firmino, o diretor de Polícia Especializada, delegado Silvio Maués, e a delegada Fernanda Maués de Souza, da Denarc, responsável pelo flagrante, as sementes da maconha eram compradas em sites que até davam instruções sobre o cultivo “in-door” (em local fechado). No início era para consumo próprio, mas passaram a comercializar para conhecidos por causa do alto valor: por ter o princípio ativo (Tetra-hidrocanabinol – THC) potencializado para provocar efeito alucinógeno mais forte do que a maconha normal, a droga pode ser vendida em menores porções e preço maior. Um quilo de haxixe chega a valer até R$ 8 mil, enquanto o Kg da erva “normal” sai por R$ 200, explicou a polícia. 

Para não despertar a atenção da vizinhança, Hélio e Juliana usavam produtos que amenizavam o cheiro característico da erva. Em média, faturavam por mês de R$ 30 mil a R$ 50 mil. As investigações continuam para apurar o envolvimento de outras pessoas no esquema. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *