Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Do blog do Dudu Dourado

“Alguns cientistas de Monte Alegre fizeram uma escavação de 100 metros em suas cavernas arqueológicas e descobriram vestígios de fios de cobre que datavam 1000 anos. Conclusão: Seus antepassados já dispunham de rede telefônica na época. Já os arqueólogos de Oriximiná, pra não ficar pra trás, escavaram 200 metros e acharam vestígios de restos de fibras de mais de 2.000 anos e concluíram triunfantes que seus antepassados já dispunham de uma rede digital à base de fibra ótica. Após uma semana os estudiosos da cidade de Alenquer cavaram na Cidade dos Deuses até uma profundidade de mais de 500 metros e não encontraram nada, de onde concluíram que os antigos Ximangos já dispunham há mais de 5.000 anos de uma rede comunicação sem fio.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *