0
Esta eu pincei do blog Espaço Aberto, do jornalista Paulo Bemerguy:
De um Anônimo, sobre a postagem Avenida é renovada para passagem da Santa:
Fatos do cotidiano de uma cidade chamada Belém:
Perguntei a um dos trabalhadores da empresa que espalhava o asfalto na avenida Nazaré:
– Esse asfalto com cor diferente parece uma borra de café e com pouca espessura. Isso presta?
O empregado sentado no meio fio da rua, com uma ferramenta na mão pra espalhar o tal asfalto, respondeu:
– Pode até não prestar senhor, mas pro prefeito é o melhor asfalto.
Eu respondi:
– Melhor asfalto, por quê? É diferente dos outros, mais resistente, mais barato, mais duradouro?
Ele respondeu, rindo:
– Não senhor, é o melhor asfalto pro Duciomar, porque quem faz esse serviço e os outros serviços de asfaltamento nas ruas de Belém é só a firma dele, quem recebe é ele, ele tem uma empresa e só dá ele.
E disse mais:
– O senhor não sabia disso?
Eu ri e continuei andando na rua. Parece brincadeira, mas não é. Agora está justificado porque essa obsessão desse prefeito por asfaltar ruas e mais ruas e deixar de lado a melhoria e mais investimento no serviço de saúde para os mais necessitados que precisam desse serviço.”
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Jornalista sem vergonha

Anterior

Assalto nosso de cada dia

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *