Trabalhadores da Companhia Docas do Pará estão em pé de guerra com a direção da estatal federal. Desde julho estão padecendo com contracheques zerados, aumento de jornada, remuneração encurtada, custo de vida encarecido e compromissos não honrados. Tudo isso graças…

A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Desdobramentos da Operação Mocajuba


Mocajuba vive dias de festa popular, com o prefeito e o presidente da Câmara fora dos cargos. O juiz Marcos Paulo Souza Campelo afastou o prefeito Rosiel Sabá Costa por 90 dias, e deu prazo de 48 horas para a Câmara Municipal empossar o vice-prefeito, sob pena de multa diária de R$5 mil. O ofício encaminhado pelo juiz da Comarca para a Câmara, como se observa, é sigiloso, sabe-se lá o porquê, uma vez que, forçosamente, a substituição do alcaide tem caráter público. O presidente da Câmara, vereador Edimilton Braga, ao saber de seu afastamento, passou mal e foi hospitalizado. 

Em 9 de abril deste ano, publiquei o post Operação Mocajuba desbarata esquema licitatório, sobre a ação conjunta do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPE-PA, em parceria com a Polícia Civil e o TCM, quando sete pessoas foram presas. Cliquem no link e leiam para refrescar a memória. Na Operação Mocajuba foi feita diligência na Pólo Engenharia, a mesma que executa as obras da Sesquicentenário em Igarapé-Miri. Também foram apreendidos, na época, documentos na mesma empresa de contabilidade que presta serviços para Igarapé-Miri, localizada no bairro do Telégrafo, e que ganha mais de R$33 mil por mês dos cofres municipais. Ramificações e tentáculos que se estendem a outros municípios e apontam podres poderes. Se o MP for fundo, vai achar muita coisa. Avante, homens da lei!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *