0
Pela primeira vez na história do Pará, um deputado estadual será processado e julgado pela Justiça Militar por crime militar propriamente dito (durante a ditadura os que responderam a processos eram civis e estavam sob a égide da Lei de Segurança Nacional). Trata-se do Soldado Tércio (PROS), que, junto com cerca de 40 outros policiais militares, participou do motim, em abril do ano passado, que chegou interditar a BR-316. A partir da segunda-feira (2), começam os interrogatórios, inclusive do já deputado (a posse na Alepa será no domingo). É que a prerrogativa de foro prevista na Constituição Estadual se limita aos crimes comuns e não existe quanto aos militares. Todos os envolvidos nos protestos foram denunciados pelo promotor militar Armando Brasil. Além do motim, também vão responder pelos crimes de incitação, recusa à obediência a ordem superior, obstrução de via pública e lesões corporais, dentre outros previstos no Código Penal Militar. Se condenados, a pena pode alcançar  até 10 anos de reclusão, com o agravante de que se superar dois anos, o PM tem que ser excluído da corporação. E o promotor Armando Brasil já avisou que vai requerer ao Tribunal de Justiça do Estado a imediata perda de posto dos réus. O deputado Soldado Tércio poderá perder o mandato.

A lei de anistia aos militares amotinados, promulgada pela Assembleia Legislativa, só tem validade no âmbito administrativo, e a única esperança dos réus é uma providencial lei federal de anistia, que é de iniciativa exclusiva da Presidência da República. Mas, no ano passado, a presidente Dilma Rousseff já adiantou que não encaminhará lei ao Congresso Nacional nesse sentido.  
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Servidor da UEPA não cumpriu liminar

Anterior

UEPA já cumpriu a liminar

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *