Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

De Justiça & de Música

O ministro Cezar Peluso, Vice-Presidente do STF e quem decide, talvez ainda hoje, a vida política de Maria do Carmo Martins Lima, é sobrinho da compositora e pianista santarena Rachel Peluso. A revelação é do desembargador federal do trabalho Vicente Fonseca, ex-aluno do Instituto Musical Padre José Maurício – fundado em São Paulo por Raquel e sua irmã, a soprano Gioconda Peluso -, que lembrou o centenário da maestrina, transcorrido este ano, em artigo publicado no Uruá-Tapera. Seu avô José Agostinho da Fonseca compôs em homenagem a ela a valsa “Rachelina“, que depois ganhou letra de João de Jesus Paes Loureiro e arranjo para violão solo de Vicente Fonseca. Gioconda Peluso cantou músicas de Wilson Fonseca, o maestro Isoca, no Theatro Municipal de São Paulo e na Itália, entre elas “Lenda do Boto“. Rachel Peluso gravou, em 1959, um disco (78 RPM) com músicas de Isoca, acompanhando, ao piano, o tenor Expedito Toscano, filho do tenor e seresteiro Joaquim Toscano, entre elas Lua Branca (letra de Paulo Rodrigues dos Santos, autor da letra do “Hino de Santarém”), uma das canções mais belas de Isoca, incluída no concerto que o violonista paraense Maurício Gomes realizou em Fortaleza (CE), em 19 de agosto de 2008, dentro da série “Talentos do Violão”, promovida pelo Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, quando foi executada a valsa “Rachelina”. Além de inúmeros arranjos, em homenagem às irmãs Peluso Vicente Fonseca dedicou as suas “Valsas Santarenas” nºs. 39 e 41, executadas, recentemente, no Uruguai, pelo pianista e maestro Júlio César Huertas Scelza e cantores.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *