Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

Dados do Idesp


“Hoje o Diário do Pará publica interessante artigo do professor José Trindade, sobre o Índice de Responsabilidade Social do IDESP (Caderno Brasil, página B6, disponível aqui).

Alguns indicadores chamam a atenção no estudo do instituto:
  • A expectativa de vida no Pará (73,22 anos em 2007) é maior que a média nacional (72,54 anos em 2007).
  • Nas regiões de integração do Marajó e Tocantins, tradicionalmente de menor renda per capita, a expectativa de vida chega a atingir em 2007, respectivamente, 77,6 e 74,9 anos. Em regiões de intensa dinâmica econômica e populacional, como Carajás e Lago de Tucuruí, a expectativa de vida está abaixo da média nacional (69,55 e 71,06 anos) e sua progressão anual é também mais lenta do que as demais regiões.
  • O PIB per capita do Marajó é de R$2.539,00 em 2007, enquanto o da região de Carajás é de R$15.028,00 no mesmo ano.
  • Há uma queda acentuada da pobreza no Pará entre 2004 e 2008 (26, 41%), sendo que quase metade desta queda (10,36%) se dá no período de 2007-08. Em quatro anos, quase 800 mil pessoas saíram da linha de pobreza.
  • Houve um decréscimo significativo da população desocupada no Pará entre 2004-2008 (9,18%).
  • Há um crescimento do trabalho com carteira assinada: uma queda no período 2005-2006 (18,62% para 17, 79%) e um forte aumento a partir de então: 18,96% (2007) e 20,04% (2008).
  • A taxa de alfabetização também cresceu no período: 85,75% (2004) para 88,14% (2008). A taxa de matrículatambém cresceu de 84,04%(2004) para 88,83% (2008). Apesar do resultado, ainda estamos abaixo da média nacional (90,04% e 90,34%, respectivamente).
Os indicadores revelados pelo IDESP nos dão a dimensão do desafio do Pará nos próximos anos: avançar nas políticas de transferência de renda e combinar crescimento econômico com melhoria significativa de nossos indicadores sociais.

O estudo do IDESP pode ser lido na íntegra aqui.”

(Cláudio Puty, em seu blog, repercutindo indicadores sociais parauaras).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *