0

O paraense João Bosco Jacó de Azevedo, o festejadíssimo J. Bosco do jornal O Liberal, está hoje em grande destaque no Portal Imprensa . Fisguei um pedacinho: “Tenho dez horas de trabalho diário dentro da redação. O pique é muito intenso“, afirma o chargista. Para ele, que também é jornalista, manter-se informado é crucial para se obter bons resultados no processo criativo. “A informação é o alimento do cartunista, sem conhecimento das notícias não existe produção. Procuro buscar tudo que está em minha volta: cinema, política, esporte, religião, economia, moda, televisão“, diz o chargista que define seu trabalho como “jornalismo do traço editorial“. “Desde o império até hoje os cartunistas representam a voz do leitor insatisfeito com as autoridades, injustiças sociais, governos corruptos e preconceitos. A charge representa um editorial desenhado, a linha do jornal’, completa o ilustrador, que mantém os blogs Lápis da Memória e J. Bosco caricaturas.”
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Distorção

Anterior

O inferno de Dante, por Botticelli

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *