Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Combate à exploração do trabalho infantojuvenil

Hoje à tarde, uma comissão do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem  visitou a Escola Municipal Florestan Fernandes, no bairro do Benguí, um dos mais pobres e populosos de Belém do Pará. Como em todas essas ocasiões, situações chocantes foram expostas. Os próprios alunos relataram que são obrigados a trabalhar desde pequeninos para ajudar na sobrevivência de suas famílias.
Uma adolescente de 13 anos contou que é babá de duas crianças gêmeas, de três anos, uma delas portadora de necessidades especiais. A menina gosta de ser babá porque recebe R$ 70 por mês e se apegou às criancinhas. 

O quadro de vulnerabilidade social é complexo nos municípios, no Estado e no País. A ação é mesmo de formiguinha, mas já vem fazendo a diferença. A partir de muita conversa e material lúdico, as crianças e adolescentes vêm sendo orientadas acerca de seus direitos e acompanhadas por uma equipe multidisciplinar, além dos padrinhos e madrinhas solidárias que ganham, principalmente universitários. Os que têm a partir de 14 anos estão sendo inseridos em cursos profissionalizantes e posteriormente na aprendizagem. Como realmente têm  que trabalhar é preciso prepará-los para o ingresso no mercado, com todos os direitos garantidos, especialmente a permanência na escola. A campanha não se limita a conscientizar sobre os males do trabalho infantil, também oferece cursos profissionalizantes e a inserção no Programa da Aprendizagem, além de ajudar na inclusão para recebimento do benefício do Bolsa Família. 

Desenvolvido pela Justiça do Trabalho (no Pará e Amapá o TRT8, sob a coordenação da desembargadora Zuíla Dutra e da juíza Vanilza Malcher), o programa já tem mais de cem parceiros. O CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), a Associação Proativa do Pará e a Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego participam ativamente das visitas às escolas, acolhendo os meninos e meninas em situação de risco e emitindo Carteiras de Trabalho e Previdência Social.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *