O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

CDP & Cargill em polêmica santarena

O padre Edilberto Sena, de Santarém, em artigo no blog do Jeso, está detonando o fato de que Cargill e Cia. Docas do Pará patrocinam o seminário sobre arqueologia que começou hoje e vai até amanhã, promovido pela UFPA, para estudar a história dos antigos habitantes da região, dentre os quais o povo Tupaiú, cujos vestígios estão em sítios arqueológicos, grande parte já violada pelo avanço urbano.
O sacerdote diz que CDP e Cargill são “dois dos mais recentes criminosos da arqueologia santarena“, e que “só faltou a UFPA buscar patrocínio da empresa de combustível que está na área do sítio arqueológico e certamente destruiu parte dele“. Lembra que a arqueóloga Anna Roosevelt, que pesquisa o sítio arqueológico da Vera Paz, afirma que a área portuária tem no subsolo arquivo importante dos antepassados. Mais: que toda a área deveria ser preservada no que ainda existe, como um museu intacto onde está – e isso deveria ser responsabilidade das autoridades municipais e federais.
Os comentaristas do blog contrapõem com o argumento de que as duas empresas, até para reparar erros do passado, devem, sim, não só patrocinar eventos do gênero, como também investir no salvamento, datação, classificação e exposição das peças arqueológicas. E vocês, o que pensam?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *