O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Briga de famiglia

Lembram que Mônica Pinto denunciou Bruna do Nascimento Costa Figueiredo por ter recebido R$300 mil em um ano como servidora da Alepa? Pois é. O caso agora está desanuviado. As duas, na verdade, são parentes, primas, Bruna era laranja de Mônica e, depois de brigarem, o caso veio à tona.
Em depoimento oficial ao promotor de Justiça Arnaldo Azevedo, que chefia a equipe do Geproc (Grupo Especial de Prevenção e Repressão a Organizações Criminosas), Bruna, assistida por seu advogado Ney Siqueira Mendes, contou que ingressou como estagiária na Alepa no primeiro ano de faculdade (hoje é advogada), pelas mãos de Mônica Pinto, em 2001, no Departamento de Pessoal; depois passou a trabalhar como secretária parlamentar no gabinete do ex-deputado Zeca Araújo (atual presidente do TCM); passou um tempo fora da Alepa, de 2007 a 2008, quando retornou, lotada no gabinete do então deputado Ítalo Mácola, a quem prestava serviços jurídicos.  
Pois bem: Bruna revelou que teve que abrir conta no Banpará para receber seu salário, que era de R$800, e Mônica pediu sua conta bancária emprestada para depositar dinheiro cuja origem nunca questionou. Foi assim até o segundo semestre de 2008, quando as duas brigaram e não mais se falaram. Bruna sustenta que se existir algum contracheque com sua assinatura é falsificado por Mônica e que não hesitará em se submeter a exame grafotécnico.
Nesse escândalo da Alepa há coisas inacreditáveis. Mônica Pinto dizia que trabalhava muito, até mesmo nos finais de semana. As investigações revelaram que, de fato, muitas movimentações bancárias foram mesmo feitas em pleno domingo à noite. Fantástico!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *