0

Revoltante a posição do ministro Arnaldo Esteves Lima, do STJ, que já havia concedido liminar, mantendo o fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura em liberdade e, ontem, no julgamento do mérito do habeas corpus, votou pela manutenção da liberdade, justificando – acreditem! – que “tecnicamente, ele se encontra absolvido pela Justiça do Pará.” (!)

Acontece que Bida foi condenado a 30 anos de prisão em regime fechado pelo Tribunal de Júri, como mandante do assassinato da missionária americana Dorothy Stang. Apelou e foi absolvido em segundo julgamento. Mas no final do ano passado, um recurso do promotor de justiça Edson Augusto Cardoso de Souza ao TJE-PA conseguiu anular a absolvição, e foi decretada de novo a prisão.

Felizmente o ministro Felix Fischer argumentou que os motivos da prisão persistem, tese acompanhada por todos os demais integrantes da 5ª Turma do STJ.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Paraíso transexual

Anterior

Registro histórico

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *