Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Baratas voadoras atacam no Moviecom

O fisioterapeuta Elias Neto Sassim resolveu ir ao cinema com a namorada. Optou pelo Pátio Belem e o seu Moviecom. O filme escolhido foi Homem-formiga, da Marvel.  Comprou os ingressos on line, sem problemas. Sentou na última fileira de cadeiras, de frente para o corredor, e acomodou seu 1,98m.
Adorou o filme, e
 tudo estava indo muito bem.  Até que, de repente, algo pousou em sua perna. Era uma barata. Uma barata voadora, daquelas de filme de terror B. De bom humor e interessado no que rolava na telona, deu um chute  no inseto e voltou a se concentrar. Nessa hora, a namorada o cutucou e pediu que olhasse para cima.
Ficou gelado com o que viu. Na parede, ao lado das caixas de som, havia um exército de baratas voadoras prontas para atacar!
 Não pensou duas vezes. Levantaram rápido, mas não deu tempo de escapar. Uma barata voou e se encastelou na sua cabeça,  outras duas na camisa, nas costas, onde é mais difícil bater.
Imaginem o desespero dos dois. Abandonaram pipoca, chocolate, refrigerante, dignidade, e foram sentar nas cadeiras da frente. Mas adeus à tranquilidade, claro! Não sabiam se prestavam atenção ao filme ou se olhavam para o chão e paredes, vigiando um presumível novo ataque. E assim ficaram até o filme acabar. Ao final, já eram 23:30h e nenhum funcionário estava por lá, só o vigia. Nem podiam reclamar. E também não conseguiam pensar em mais nada a não ser sair de lá. E vocês, já passaram por uma situação dessas? 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *