Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Baratas voadoras atacam no Moviecom

O fisioterapeuta Elias Neto Sassim resolveu ir ao cinema com a namorada. Optou pelo Pátio Belem e o seu Moviecom. O filme escolhido foi Homem-formiga, da Marvel.  Comprou os ingressos on line, sem problemas. Sentou na última fileira de cadeiras, de frente para o corredor, e acomodou seu 1,98m.
Adorou o filme, e
 tudo estava indo muito bem.  Até que, de repente, algo pousou em sua perna. Era uma barata. Uma barata voadora, daquelas de filme de terror B. De bom humor e interessado no que rolava na telona, deu um chute  no inseto e voltou a se concentrar. Nessa hora, a namorada o cutucou e pediu que olhasse para cima.
Ficou gelado com o que viu. Na parede, ao lado das caixas de som, havia um exército de baratas voadoras prontas para atacar!
 Não pensou duas vezes. Levantaram rápido, mas não deu tempo de escapar. Uma barata voou e se encastelou na sua cabeça,  outras duas na camisa, nas costas, onde é mais difícil bater.
Imaginem o desespero dos dois. Abandonaram pipoca, chocolate, refrigerante, dignidade, e foram sentar nas cadeiras da frente. Mas adeus à tranquilidade, claro! Não sabiam se prestavam atenção ao filme ou se olhavam para o chão e paredes, vigiando um presumível novo ataque. E assim ficaram até o filme acabar. Ao final, já eram 23:30h e nenhum funcionário estava por lá, só o vigia. Nem podiam reclamar. E também não conseguiam pensar em mais nada a não ser sair de lá. E vocês, já passaram por uma situação dessas? 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *