A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Ataques piratas abalam navegação fluvial

O presidente do Sindarpa (Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação do Pará), Eduardo Carvalho, resolveu contratar empresas de segurança para proteger da pirataria as cargas que trafegam nos rios paraenses. 

Conforme a  Fenavega – Federação das Empresas de Navegação Marítima, Fluvial, Lacustre e de Tráfego Portuário, com sede no Rio de Janeiro, os roubos de cargas no transporte aquaviário na região Norte do Brasil causam prejuízo anual de R$ 100 milhões.  

Levantamento feito pelo Sindarpa junto a associados que foram alvo dos piratas apresenta um quadro da situação vivenciada pelos transportadores. Em 87% dos ataques, os criminosos estavam em embarcações rápidas. Em 88% não foi possível perceber ou ser informado sobre a ação dos bandidos com antecedência. Em 86% dos casos, a polícia não chegou ao local da ocorrência. Em 14%, levou mais de 12 horas. 

Conforme a entidade, entre junho de 2015 e junho de 2016, operadores do transporte aquaviário no Pará, ligados ao sindicato, registraram prejuízo de R$ 2 milhões com cargas, combustíveis e equipamentos de embarcações levados pelos piratas. Clientes migraram para outros modais, empresas seguradoras aumentaram seus valores para cobertura ou desistiram de fazê-la, relata o ex-presidente do Sindarpa e vice-presidente da Fenavega, José Rebelo III. 
Nos ataques mais graves, os bandidos fazem reféns, agridem as vítimas e até mortes já foram registradas. Em setembro do ano passado, um homem de 47 anos perdeu a vida ao ser baleado em ataque pirata no arquipélago do Marajó. 
Eles são muito violentos, e há duas modalidades: a de assalto a embarcações de passageiros e barcos de pesca e a de assaltos a balsa. Às vezes até crianças são recrutadas pelos piratas e vão, em pequenas “rabetas”, verificar se há segurança a bordo para a  carga que está sendo transportada. Levam as informações para os criminosos, que depois atacam. 

Observem no vídeo um flagrante de ataque pirata a balsa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *