Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

As boieiras e a autenticidade regional

Foto: Ivan Cardoso
Vou meter minha colher nessa história de qualificar as boieiras do Ver-O-Peso, projeto de uma faculdade local. Belém acaba de ser agraciada com o título internacional de Cidade da Gastronomia Criativa, concedido pela Unesco. Por outro lado, o Ver-O-Peso, por suas características únicas a representar a biodiversidade amazônida, foi eleito o maior símbolo da capital do Pará. Tudo o que as boieiras precisam é de condições higiênicas e de segurança para multiplicar a clientela. Quem vai ao Ver-O-Peso quer comer peixe frito com açaí e outras delícias que elas sabem preparar muito bem. E o peixe temperado só com um pouco de sal e limão. Simples assim. Sofisticar seus pratos significa descaracterizar o caldeirão cultural ímpar apurado a partir da fusão das legítimas heranças indígenas, africanas e portuguesas. Os restaurantes de Belém são excelentes, mas, cada vez mais, estão se distanciando das raízes parauaras. A cozinha regional perde a identidade e se transforma em internacional. Nada contra, é deliciosa, mas pode ser encontrada em qualquer parte do mundo. Fica o alerta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *