Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Árvore de problemas da mobilidade ruim

A prefeitura deveria ter pronto seu plano de mobilidade, por lei, em 15 de abril de 2015. Até setembro, havia a expectativa de obter empréstimo do BID destinado a contratar uma empresa para elaborar o Plano de Mobilidade e Uso e Ocupação do Solo, mas a operação não foi viabilizada. A saída foi, então, fazer o Plano com as forças existentes na cidade, de modo que o prefeito  Zenaldo Coutinho criou para este fim três comissões: a Administrativa (composta pelo prefeito e secretários), a Técnica (integrada por técnicos das Secretarias Municipais) e a de Acompanhamento (formada por membros de associações, universidades e instituições da sociedade civil). 

Quando os trabalhos começaram, em outubro, na SeMOB, a superintendente misturou as comissões Técnica e de Acompanhamento, pedindo que todos trabalhassem na construção do Plano. E assim se traçou um projeto, com apoio da WRI (Ong que se ocupa do tema). A primeira atividade foi realizar 14 audiências (oficinas) públicas, em escolas em todos os distritos de Belém, nas quais a população foi convidada a participar, sobretudo na identificação de problemas.
O material das audiências foi distribuído aos integrantes da comissão de trabalho PlanMob. 

José Francisco da Fonseca Ramos, coordenador do Projeto de Incidência da Sociedade Civil sobre a Sustentabilidade Urbana – Temática Mobilidade, do Observatório Social de Belém, que é membro da Comissão de Acompanhamento, construiu uma Árvore de Problemas, segundo a metodologia ZOPP (método abrangente e sofisticado de planejamento, que pode interagir com outras técnicas de gerenciamento e monitoramento de projetos), para o problema central Mobilidade Ruim. 

Após 7 de janeiro, quando termina o recesso do PlanMob, o grupo deverá fazer outra árvore de problemas. A lista completa, que inclui planejamento e infraestrutura viária insuficiente, malha viária não
planejada,
 poucas vias expressas e de má qualidade, fiscalização não
satisfatória, m
au comportamento no
trânsito, c
alçadas ruins, má gestão de recursos, baixa segurança pública, linhas de ônibus mal distribuídas, ausência de transporte fluvial e baixa integração entre
as prefeituras da região metropolitana, pode ser lida aqui.

Cartas para a redação sobre mais problemas a serem listados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *