Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Ararajubas voltam a Belém

Oito ararajubas começaram a habitar hoje o Parque Estadual do Utinga. Foram mais de 10 anos de pesquisa e sessenta anos após o último avistamento dessa espécie nos céus de Belém do Pará para que a ave símbolo do Brasil pudesse voltar ao seu habitat natural, através do Programa de Reintrodução e Monitoramento de Ararajubas em Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém, desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e pela Fundação Lymington, de São Paulo. 

As ararajubas foram reproduzidas em cativeiro em São Paulo, chegaram a Belém em agosto do ano passado e passaram por processo de readaptação. O próximo passo será a reintrodução delas na Área de Proteção Ambiental da Região Metropolitana de Belém, APA do Combu, Refúgio de Vida Silvestre, Alça Viária e APA do Abacatal, em Ananindeua. 

O primeiro registro científico de aparição das ararajubas na região metropolitana de Belém se deu em 1848. Elas desapareceram entre as décadas de 40 e 50 por conta da expansão urbana, do desmatamento e do comércio ilegal de animais silvestres. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *