Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Ararajubas voltam a Belém

Oito ararajubas começaram a habitar hoje o Parque Estadual do Utinga. Foram mais de 10 anos de pesquisa e sessenta anos após o último avistamento dessa espécie nos céus de Belém do Pará para que a ave símbolo do Brasil pudesse voltar ao seu habitat natural, através do Programa de Reintrodução e Monitoramento de Ararajubas em Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém, desenvolvido pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e pela Fundação Lymington, de São Paulo. 

As ararajubas foram reproduzidas em cativeiro em São Paulo, chegaram a Belém em agosto do ano passado e passaram por processo de readaptação. O próximo passo será a reintrodução delas na Área de Proteção Ambiental da Região Metropolitana de Belém, APA do Combu, Refúgio de Vida Silvestre, Alça Viária e APA do Abacatal, em Ananindeua. 

O primeiro registro científico de aparição das ararajubas na região metropolitana de Belém se deu em 1848. Elas desapareceram entre as décadas de 40 e 50 por conta da expansão urbana, do desmatamento e do comércio ilegal de animais silvestres. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *