0

Vejam que problemão: um político muito conhecido, atualmente ancorado numa das mais cobiçadas prefeituras paraenses, passou por uma situação constrangedora, no término do expediente de uma sexta-feira, diante de um gerente de banco, numa bem frequentada agência da área nobre da capital. É que ele recebeu um sonoro não à sua proposta de que o banco fizesse o favor de guardar, sem os devidos registros contábeis, a quantia de R$ 5 milhões que tinha na pasta. É que ainda seriam necessários alguns dias para que a pequena (?) fortuna fosse convenientemente convertida em alguma moeda forte – dólar ou euro – para que seguisse o caminho da segurança de um paraíso fiscal qualquer.Temeroso de que a operação – atípica para dizer o mínimo – pudesse ser descoberta, o até então prestimoso gerente não teve como tirar seu amigo do aperto. As fontes do blog ainda não descobriram se a dinheirama migrou para outro banco ou se forrou, durante todo um final de semana, o colchão do tal político multimilionário.
(Jornalista Aldenor Jr., em seu blog Página Crítica).
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Adequação ao Código Florestal

Anterior

Do Lápis de Memória

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *