Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Agressor de jornalista condenado a prisão

Leornardo Amorim Grinalda, 31 anos, acusado de tentar matar Raphael Polito Cardozo, ex-repórter da TV Record Belém, no dia em 26 agosto de 2013, foi condenado pelo Tribunal do Júri. O juiz Edmar Pereira fixou a pena em seis anos de prisão, em regime inicial semi aberto, e negou ao réu o direito de apelar da sentença em liberdade.
Durante o julgamento, um segurança da emissora testemunhou que estava na porta da empresa e viu o tumulto na rua, e que o repórter já tinha sido atacado pelo réu, armado de uma faca.
Leonardo alegou que 
não tinha intenção de matar e teria ido até a emissora apenas para conversar com o jornalista e que ficou esperando por cerca de quatro horas, na frente da TV, na rua dos Tamoios, no bairro de Batista Campos, porque a vítima teria “falado mal do seu irmão”, no programa que apresentava na TV.
Na acusação atuou o promotor de justiça José Rui de Almeida Barbosa, que sustentou a tese de tentativa de homicídio.
Os advogados Israel Coelho e Breno Lins defenderam a absolvição por ausência de materialidade, insistindo que a vítima não foi até aos jurados pedir por justiça e nem fez exames de corpo de delito. Também pediram desclassificação do crime para lesões corporais, sem sucesso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *