Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Agressor de jornalista condenado a prisão

Leornardo Amorim Grinalda, 31 anos, acusado de tentar matar Raphael Polito Cardozo, ex-repórter da TV Record Belém, no dia em 26 agosto de 2013, foi condenado pelo Tribunal do Júri. O juiz Edmar Pereira fixou a pena em seis anos de prisão, em regime inicial semi aberto, e negou ao réu o direito de apelar da sentença em liberdade.
Durante o julgamento, um segurança da emissora testemunhou que estava na porta da empresa e viu o tumulto na rua, e que o repórter já tinha sido atacado pelo réu, armado de uma faca.
Leonardo alegou que 
não tinha intenção de matar e teria ido até a emissora apenas para conversar com o jornalista e que ficou esperando por cerca de quatro horas, na frente da TV, na rua dos Tamoios, no bairro de Batista Campos, porque a vítima teria “falado mal do seu irmão”, no programa que apresentava na TV.
Na acusação atuou o promotor de justiça José Rui de Almeida Barbosa, que sustentou a tese de tentativa de homicídio.
Os advogados Israel Coelho e Breno Lins defenderam a absolvição por ausência de materialidade, insistindo que a vítima não foi até aos jurados pedir por justiça e nem fez exames de corpo de delito. Também pediram desclassificação do crime para lesões corporais, sem sucesso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *