Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Aéticos & inescrupulosos

O TCU aprovou acórdão em 2009 cobrando da Câmara a devolução aos cofres públicos do dinheiro da farra aérea, mas transferiu ao Congresso a tarefa de adotar as providências. Até agora, necas de pitibiriba. Mulheres, filhos, namorados e amigos continuam a viajar à vontade usando as milhagens de deputados federais.

E olhem que a presidência da Câmara declarou “se não está escrito que pode viajar para o exterior é porque não pode“. Situação interessante: o ato anterior também nada dizia sobre viagens internacionais; logo, o passeio ao exterior estava proibido. Ilícitos foram cometidos e os delinquentes permanecem impunes.

Como se sabe – e os parlamentares têm obrigação de saber -, no direito público, se algo não está autorizado, está proibido. A propósito, o jurista Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF e ex-presidente do TSE é taxativo: omissão de regra não significa autorização: _Ao contrário do particular que pode fazer tudo que a lei não proíbe, o administrador só pode quando a lei determina ou autoriza. Trata-se do princípio da legalidade. O agente público age em nome do Estado e vinculado ao Estado”.

Max Weber escreveu que há dois tipos de ética: a da convicção (o comportamento dos políticos na esfera privada) e a ética de responsabilidade (as normas e valores que orientam o político a partir da sua posição como governante ou legislador). Os protagonistas da farra aérea, como se vê, são desprovidos das duas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *