Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Adeus a Sylvia Helena Tocantins, a Suruanã


Lamento informar o falecimento, hoje de madrugada, de Sylvia Helena Tocantins, romancista, contista, cronista e poeta, membro da Academia Paraense de Letras (cadeira nº 12); Academia Petropolitana de Poesia Raul de Leoni (RJ); Academia Barbacenense (MG); Academia Castro Alves de Letras (BA); Academia Internacional de Ciências, Letras, Artes e Filosofia, e filiada à Asociación Mundial de Mujeres Periodistas e Escritoras (AMMPE/México) e à União Brasileira de Escritores (UBE/SP). 

Sylvia Helena dirigiu a biblioteca Acylino Leão/APL (1989-1993). Presidiu  a Associação de Jornalistas e Escritores do Brasil e a AJEB/Pará, e fundou as coordenadorias da AJEB do Pará, Rio Grande do Norte e Bahia. Premiada em vários concursos literários, é autora de Respingos da Maresia (1982- Poemas); As Ruínas de Suruanã (1987- Romance); No Tronco da Sapopema (1998-Crônicas); e A Lenda do Amor Eterno (Romance- 2005), além de muitos textos publicados em jornais, revistas e antologias. Organizou o livro Ajebianas no Voo da Palavra(1993), coletânea de biografias, contos, crônicas e poemas brasileiros. 

Por vezes, utilizou o pseudônimo de Suruanã.
As Ruínas de Suruanã (1987) é um romance naturalista e o primeiro de uma trilogia sobre a linguagem nativa dos índios nheegaíbas, o folclore e costumes característicos da região Amazônica, tido como um dos seis melhores romances publicados no Brasil, no período de 1980-1990. 

Sylvia Helena nasceu em Belém do Pará, em 1933. Seu corpo está sendo velado na Academia Paraense de Letras, que agora tem três vagas abertas, a dela e as de Jarbas Passarinho e Acyr Castro.

Que Deus a receba em paz.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *