O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Adeus a Sylvia Helena Tocantins, a Suruanã


Lamento informar o falecimento, hoje de madrugada, de Sylvia Helena Tocantins, romancista, contista, cronista e poeta, membro da Academia Paraense de Letras (cadeira nº 12); Academia Petropolitana de Poesia Raul de Leoni (RJ); Academia Barbacenense (MG); Academia Castro Alves de Letras (BA); Academia Internacional de Ciências, Letras, Artes e Filosofia, e filiada à Asociación Mundial de Mujeres Periodistas e Escritoras (AMMPE/México) e à União Brasileira de Escritores (UBE/SP). 

Sylvia Helena dirigiu a biblioteca Acylino Leão/APL (1989-1993). Presidiu  a Associação de Jornalistas e Escritores do Brasil e a AJEB/Pará, e fundou as coordenadorias da AJEB do Pará, Rio Grande do Norte e Bahia. Premiada em vários concursos literários, é autora de Respingos da Maresia (1982- Poemas); As Ruínas de Suruanã (1987- Romance); No Tronco da Sapopema (1998-Crônicas); e A Lenda do Amor Eterno (Romance- 2005), além de muitos textos publicados em jornais, revistas e antologias. Organizou o livro Ajebianas no Voo da Palavra(1993), coletânea de biografias, contos, crônicas e poemas brasileiros. 

Por vezes, utilizou o pseudônimo de Suruanã.
As Ruínas de Suruanã (1987) é um romance naturalista e o primeiro de uma trilogia sobre a linguagem nativa dos índios nheegaíbas, o folclore e costumes característicos da região Amazônica, tido como um dos seis melhores romances publicados no Brasil, no período de 1980-1990. 

Sylvia Helena nasceu em Belém do Pará, em 1933. Seu corpo está sendo velado na Academia Paraense de Letras, que agora tem três vagas abertas, a dela e as de Jarbas Passarinho e Acyr Castro.

Que Deus a receba em paz.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *