0
Lamento informar que o arcebispo emérito de Belém, Dom Vicente Joaquim Zico, faleceu há poucas horas, aos 88 anos. Ele não resistiu a complicações de problemas respiratórios que o tinham levado a ficar hospitalizado por vários dias, depois de uma visita aos familiares em Belo Horizonte(MG). Ontem, Dom Zico pediu aos médicos para voltar para a residência oficial da Arquidiocese, onde morava junto com o arcebispo metropolitano, Dom Alberto Taveira, e os bispos auxiliares Dom Irineu Roman e Dom Teodoro Mendes. Queria se despedir em clima familiar.

Amado pela comunidade católica, Dom Vicente Zico nasceu em Luz(MG), em 27 de janeiro de 1927. Ele foi arcebispo de Belém entre 1990 e 2004. Ingressou na Congregação de São Vicente de Paulo aos 16 anos e foi ordenado sacerdote com 23 anos. Trabalhou durante 12 anos no Seminário de Fortaleza, até ser transferido para Petrópolis, onde foi reitor do Seminário por três anos.
Em seguida seguiu para Paris, onde cursou durante dois anos a Pastoral. No retorno ao Brasil, exerceu o cargo de conselheiro da Congregação 
no Rio de Janeiro por quatro anos e, eleito conselheiro da Congregação no mundo, foi morar em Roma por sete anos.
Em 5 de dezembro de 1980 foi nomeado pelo então Papa João Paulo II bispo coadjutor da Arquidiocese de Belém. Em março de 1981, assumiu o Seminário da Arquidiocese. Dez anos depois, aos 53 anos de idade, sucedeu ao arcebispo Dom Alberto Ramos. 

Foi Dom Zico quem criou o Centro de Cultura e Formação Cristã da Arquidiocese de Belém, a Rádio Nazaré e a Fundação Nazaré de Comunicação, dividiu a arquidiocese em seis regiões episcopais, e fez surgir novas paróquias.
Ele também colaborou com a formação da Diocese de Castanhal, desmembrada da Arquidiocese de Belém em 2004.

Que Deus o receba em paz.


Depoimento de minha filha, GabriellaFlorenzano: “Foi para ele
que eu fiz a minha primeira – e única – confissão (me dando uma penitência
bem-humorada para os “pecados” de uma criança de dez anos), foi ele
quem me deu a minha primeira hóstia sagrada e me ensinou o sacramento da
comunhão, mas, mais do que isso, foi ele um exemplo de homem de fé para todos
nós, participantes ou não, da sua Igreja. Ele cumpriu sua missão terrena e hoje
o céu está em festa para receber Dom Vicente Zico!”



Atualização: o corpo de Dom Zico será velado a partir das 22h, na Catedral da Sé, e está prevista a celebração das exéquias para a quarta-feira, dia 6, às 15h, com sepultamento na mesma Catedral. Amanhã e depois de amanhã, de duas em duas horas, será celebrada missa na Catedral de Belém, em sua memória.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Paixão leonina

Anterior

O Pará se despede de Dom Zico

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *