O magistrado, professor, escritor e jornalista Luiz Ernane Ferreira Ribeiro Malato, membro da Academia Paraense de Letras e da Academia Paraense de Jornalismo, tomou posse no cargo honorário de Cônsul da República Tcheca, o primeiro no Pará. A cerimônia foi…

Doutora em Ecologia pela University of Stirling, Escócia (1996), pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, do qual foi diretora-geral (2005-2009), ex-presidente do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação-EBC e presidente do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento…

O Brasil tem 1,3 milhão de advogad@s e segundo a OAB deve ultrapassar a marca de 2 milhões em 2023. Além disso, o país tem a maior proporção de advogad@s por habitante, um (a) para cada 170 habitantes. Esse crescimento…

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, vai inaugurar na terça-feira, 6, a partir das 10h, o Teatro Popular Nazareno Tourinho, no bairro da Cidade Velha, em um prédio que estava abandonado há anos, conhecido como “Casa Amarela”, que estava sem…

Absurdo inominável

O Pará não é a casa da mãe Joana, mas se a sociedade não estiver permanentemente vigilante, o seu patrimônio – a exemplo de vários ícones que foram desmontados e hoje estão em lugar incerto e não sabido – acaba literalmente na lata do lixo. A CDP insiste em tirar da área portuária cinco guindastes e os armazéns 11 e 12, galpões de ferro erguidos pelos ingleses que construíram o porto de Belém em 1913, no início do século XIX, que são tombados como Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Estado, e montar em outro lugar, sem sequer definir como seriam utilizados – as alternativas apresentadas não passam de hipóteses.
Construídas no período áureo da borracha, as estruturas são exemplares da Belle Époque, quando o ferro dominou a arquitetura industrial em todo o mundo, e foram fabricadas na Inglaterra pela Schneider Company, a mesma que fabricou a ponte George V sobre o rio Sena, em Paris. O responsável pelas obras foi o engenheiro Percival Farquar, o mesmo que empreendeu a histórica estrada de ferro Madeira Mamoré.
Ora, desmontar os galpões e guindastes do Porto de Belém – onde os colonizadores portugueses montaram o núcleo inicial da cidade, ao lado da Fortaleza de São Pedro Nolasco, erguida em 1665 e que tem especial significado após o Movimento da Cabanagem, em 1825 -, e levar para Icoaraci, é o mesmo que transferir a igreja da Sé ou a Basílica de Nazaré para a BR-316.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *