Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Absurdo inominável

O Pará não é a casa da mãe Joana, mas se a sociedade não estiver permanentemente vigilante, o seu patrimônio – a exemplo de vários ícones que foram desmontados e hoje estão em lugar incerto e não sabido – acaba literalmente na lata do lixo. A CDP insiste em tirar da área portuária cinco guindastes e os armazéns 11 e 12, galpões de ferro erguidos pelos ingleses que construíram o porto de Belém em 1913, no início do século XIX, que são tombados como Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Estado, e montar em outro lugar, sem sequer definir como seriam utilizados – as alternativas apresentadas não passam de hipóteses.
Construídas no período áureo da borracha, as estruturas são exemplares da Belle Époque, quando o ferro dominou a arquitetura industrial em todo o mundo, e foram fabricadas na Inglaterra pela Schneider Company, a mesma que fabricou a ponte George V sobre o rio Sena, em Paris. O responsável pelas obras foi o engenheiro Percival Farquar, o mesmo que empreendeu a histórica estrada de ferro Madeira Mamoré.
Ora, desmontar os galpões e guindastes do Porto de Belém – onde os colonizadores portugueses montaram o núcleo inicial da cidade, ao lado da Fortaleza de São Pedro Nolasco, erguida em 1665 e que tem especial significado após o Movimento da Cabanagem, em 1825 -, e levar para Icoaraci, é o mesmo que transferir a igreja da Sé ou a Basílica de Nazaré para a BR-316.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *