O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

A queda de Cardozo e o destino da PF

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não aguentou a enorme pressão do PT e caiu. Para agradar Lula, que já vinha demonstrando publicamente sua antipatia pelo ministro, a presidente Dilma Rousseff nomeou o ex-procurador-geral de Justiça da Bahia, Wellington Cesar Lima e Silva, que é unha-e-cutícula com Jaques Wagner, o chefe da Casa Civil.

Cardozo será o novo Advogado-Geral da União, em substituição a Luís Inácio Adams, que já tinha pedido o boné há meses. Aliás, em carta aberta à Presidência da República, Carlos Marden Cabral Coutinho, Galdino José Dias Filho e Lademir Gomes da Rocha, os três advogados públicos federais que compunham a lista tríplice para a AGU, pediram a aceitação da iniciativa para escolha do sucessor de Adams. Não adiantou. 

Dilma aproveitou para nomear Luiz Navarro para a Controladoria-Geral da União. Ele já foi secretário-executivo e corregedor-geral da CGU. 

José Eduardo Cardozo sempre foi prestigiado por Dilma mas caiu em desgraça porque não barrava as atividades da Polícia Federal, especialmente nas investigações da Operação Lava Jato, que atingiu em cheio importantes quadros do PT.

Adivinhando o que estava para se concretizar, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal divulgou hoje cedo nota manifestando apreensão com a mudança na pasta da Justiça: “Os Delegados da Polícia Federal receberam com extrema preocupação a notícia da iminente saída do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, em razões de pressões políticas para que controle os trabalhos da Polícia Federal. Os Delegados Federais reiteram que defenderão a independência funcional para a livre condução da investigação criminal e adotarão todas as medidas para preservar a pouca, mas importante, autonomia que a instituição Polícia Federal conquistou. Nesse cenário de grandes incertezas, se torna urgente a inserção da autonomia funcional e financeira da PF no texto constitucional. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal permanece compromissada em fortalecer a Polícia Federal como uma polícia de Estado, técnica e autônoma, livre de pressões externas ou de orientações político-partidárias. Contamos com o apoio do povo brasileiro para defender a Polícia Federal.”
Se exonerarem o diretor-geral da PF, será um escândalo à parte.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *