Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Transparência é requisito político

O juiz Marlon Reis, um dos idealizadores da “Ficha Limpa”, fundador
do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e presidente da Associação
Brasileira dos Magistrados, Procuradores e Promotores Eleitorais, fez palestra hoje,
no TRE-PA, sobre a lei complementar nº 134/2010 (Lei da Ficha Limpa) e a Transparência
nas Contas de Campanha, no sexto programa da série “Painel Eletrônico –
Eleições 2012”, instituído em boa hora pelo presidente do TRE-PA,
desembargador Ricardo Nunes.
O magistrado defende que as contas partidárias sejam publicadas de forma
pormenorizada na internet a cada mês. O melhor modelo, segundo ele, seria ampliar
a transparência. “As doações poderiam ser
realizadas todas por via eletrônica e publicadas em tempo real, para que as
pessoas saibam de onde a doação partiu e onde chegou, sem intermediação
”. Para
ele, a presença de grandes empresas entre os maiores doadores de campanha
configura “um quadro de mercantilismo”.
A lógica da doação é dos grandes grupos
econômicos que têm interesse imediato no resultado do pleito
”, alfineta,
lembrando que não
há limites para as doações e muitas empresas participam do processo como forma
de ganhar licitações fraudulentas no futuro, e
 que só pessoas físicas
têm direitos políticos. “Há a necessidade de envolver mais os cidadãos no
projeto de financiamento eleitoral. Além disso, a Receita Federal poderia ser
chamada a participar do processo, verificando se o valor doado é compatível com a
declaração do Imposto de Renda
.
A lei eleitoral ainda tem
brechas para os corruptos e a reforma política, por óbvio, não sairá nunca se
depender do Congresso, daí o empenho do Movimento Nacional de Combate à
Corrupção em nova lei de iniciativa popular, que entre
em vigor nas eleições municipais de
2016 – desta vez ordinária, sem necessidade
de quorum qualificado – para amarrar
diversas questões. Por exemplo, a lei atual prevê duas prestações de contas
preliminares. Mas, e as doações que acontecem na reta final da campanha, que
podem ser as maiores? Os eleitores passam
batidos
.
Ninguém é obrigado a se candidatar. Por outro lado, a transparência é um
requisito da atividade político-partidária, daí que todo candidato deveria abrir mão do sigilo fiscal.  Com este ideal, o juiz Marlon está
organizando a campanha, de âmbito nacional,
Diga Não a Doações por Empresas:
Democracia não se Vende
“.
O magistrado
maranhense foi o primeiro a tornar público, antes mesmo do TSE, o nome dos
doadores de campanha. “Honestidade
não é um mérito, é um requisito. Não faz sentido que um candidato que sequer prestou
corretamente suas contas de campanha seja admitido a gerenciar verbas públicas.
A candidatura é a véspera do mandato. Os defeitos que alguém apresenta na
campanha irão marcar o seu futuro mandato
“, sentencia. 
O juiz Marlon Reis é autor de “Direito Eleitoral Brasileiro”
(Editora Leya-Alumnus) e coordenador do livro “Ficha Limpa – Lei
Complementar nº 135/2010. Doutorando pela Universidad de Zaragoza (Espanha),
foi vencedor do I Prêmio Innovare “O Judiciário do Século XXI”, com o
projeto Justiça Eleitoral e Sociedade
Civil
, concedido pela Fundação Getúlio Vargas, Ministério da Justiça e
Associação dos Magistrados Brasileiros.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *