A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Trabalho, Justiça e Cidadania na Amatra 8

Na culminância
do Programa Trabalho, Justiça e Cidadania, desenvolvido pela Associação dos
Magistrados do Trabalho da 8ª Região, grupos culturais de escolas do bairro da
Cabanagem fizeram apresentações musicais, de teatro, teatro de fantoches e até
da banda de música regida pelo maestro Rafael Braga dos Santos,
da escola Cristo
Redentor,
que tem convênio com a Fundação Cargos Gomes
e também mostrou o talento dos seus violonistas, regidos pelo professor Marcelo
Viana; o grupo de percussão Aracê, do Centro Social da Criança e do Adolescente
Santa Edwiges; e os violinistas da escola Emaús, regidos pelo professor Eduardo
Florentino. A cantora lírica Gabriella Florenzano entoou o Hino Nacional. O Hino do TJC, composto pelo decano do TRT8, desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, foi interpretado pelo coral infanto-juvenil do projeto Vale Música, acompanhado por um sexteto de sopros, glockenspiel, percussão e piano, integrado por membros da Orquestra Jovem do projeto Vale Música. TJC, composto pelo
decano do TRT8, desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, foi interpretado
pelo coral infanto-juvenil do projeto Vale Música, acompanhado por um sexteto
de sopros, glockenspiel, percussão e piano, integrado por membros da Orquestra
Jovem do projeto Vale Música.

O Hino do TJC, composto pelo
decano do TRT8, desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, foi interpretado
pelo coral infanto-juvenil do projeto Vale Música, acompanhado por um sexteto
de sopros, glockenspiel, percussão e piano, integrado por membros da Orquestra
Jovem do projeto Vale Música.



O Hino do
TJC, composto pelo decano do TRT8, desembargador Vicente Malheiros da Fonseca,
foi interpretado pelo coral infanto-juvenil do projeto Vale Música, acompanhado
por um sexteto de sopros, glockenspiel, percussão e piano, integrado por membros
da Orquestra JovemLLoLL
Logo na abertura oficial o presidente da Amatra
8, juiz Antônio Oldemar Coelho
dos Santos, deu o tom, falando o quanto as ações educativas tocaram
profundamente também os magistrados que se dispuseram a atuar voluntariamente
junto à comunidade escolar. A
diretora de Direitos Humanos da Amatra8 e coordenadora do programa TJC, juíza Zuíla Dutra, fez
um discurso emocionado e emocionante sobre a importância do resgate da infância
e do programa
TJC como mecanismo de inclusão social, revelando o alto grau de comprometimento com a
causa de todos os juízes engajados no projeto.
O juiz Océlio
Morais, diretor cultural da Associação e vice-coordenador do programa, fez uma
reflexão acerca da responsabilidade de todos.

 “O que a
sociedade está fazendo com seus filhos, crianças e adolescentes, que são
excluídas  de suas próprias infâncias
e  vivem em situação de risco? O que os
governos estão fazendo com a Constituição, quando se trata da garantia da
infância e da adolescência saudáveis, plenas e dignas? O que cada um de nós
pode fazer  – de pleno coração e de pleno
compromisso – para plantar a semente da esperança, da certeza e da
segurança  nessas pequenas vidas que
clamam, pedem e anseiam por algo muito simples: ser feliz –  a felicidade de ter moradia, de ter o pão de
nosso de cada dia, de ter a escola que ensina a caminhar e de ter a família que
ensina a amar? Qual o tipo de conduta positiva que  nos exige o exame de consciência como
confessionário de nossas próprias ações ou omissões?”, questionou o magistrado,
aduzindo que “a sociedade que não cuida de seus filhos, como deveria cuidar uma
mãe zelosa e carinhosa, produzirá filhos rebeldes que não saberão escrever com
dignidade sua própria história. E quando isso acontece, a sociedade vai se
mortificando, vai morrendo até perder suas raízes. Uma sociedade sem raízes não
tem futuro. Uma sociedade sem distribuição de riquezas sociais condena seus
filhos à miséria.  As crianças e
adolescentes são as raízes que perpetuam 
a história da sociedade. Os jovens – como diria o Papa Francisco –são a
porta por onde passa o futuro. E, por isso, não podem ser excluídos. Mas devem
ser protegidos contra todas os males que lhes retiram a dignidade.”
 “Quando se veem
milhões de crianças e adolescentes trabalhando, ou nas ruas dominadas pelos
vícios das drogas, alguma coisa está errada. Muito errada. Completamente
errada. Isso significa que os governos não estão respeitando, como deveriam
respeitar, a sua própria Constituição porque, ao contrário, não haveria o
trabalho infantil; as crianças estariam nas escolas; nas creches; cresceriam
saudáveis com perspectivas de futuros seguros. Cada um de nós é responsável, na
forma e na medida de nossos valores e da visão de mundo, pelo presente (que é o
resultado de nossas ações); pela sociedade que construímos para o futuro das
novas gerações; pelo avanço ou retrocesso dos direitos e garantias fundamentais
das crianças e adolescentes. Nossas consciências por uma sociedade mais justa e
mais fraterna devem ser o anjinho da guarda dessas crianças e
adolescentes que estão no TJC e daquelas que ainda serão alcançadas por esse
bonito programa”, concluiu o juiz Océlio Morais, ressaltando que o TJC não é
obra de uma pessoa, nem pode depender de um pequeno grupo, é um elo de vontades
verdadeiras e comprometidas de várias pessoas, entidades civis, instituições
públicas e privadas, e também de pessoas anônimas que desejam construir uma
sociedade de igualdade para os seus filhos, e que precisa ser fortalecido por
todos aqueles que têm boa vontade e querem fazer algo diferente e duradouro
pelo futuro das crianças e adolescentes 
brasileiras, a sementinha da esperança para que sejam jovens
saudáveis logo, logo; adultos responsáveis amanhã e idosos conscientes do papel
cumprido.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *