Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Os Pescadores de Pérolas no Theatro da Paz

 Fotos: Anderson Silva
 Foto: Elza Lima
Foto: Anderson Silva
Confesso que, quando o cineasta Fernando Meirelles, diretor cênico do Festival de Ópera do Theatro da Paz este ano, admitiu em entrevista coletiva que conhecia pouco o tema e estava aprendendo com a equipe, pensei que era uma temeridade que ele substituísse Mauro Wrona, um especialista em óperas, que atuou como supervisor. Ontem à noite, quando finalmente assisti à montagem que ele fez de “Os pescadores de pérolas”, entendi que suas palavras eram, na verdade, inusitada demonstração de humildade de um profissional reconhecido internacionalmente e constatei o acerto de sua escolha. Pura ousadia do secretário de Estado de Cultura, Paulo Chaves, e do diretor do Festival, Gilberto Chaves, que rendeu um espetáculo simplesmente belo, em nada a dever às montagens nos palcos da Europa e dos Estados Unidos. De fato, por nunca antes ter dirigido uma ópera, Fernando Meirelles se lançou ao desafio sem amarras. E contou a história com maestria, criando momentos de encantamento que arrebataram o público no teatro completamente lotado. 

Um amor proibido, uma amizade traída e desejos de vingança. A ópera, em três atos, se passa no Ceilão (atual Sri Lanka) durante a Antiguidade. Embora composta por Georges Bizet quando ele tinha apenas 25 anos de idade, “Os Pescadores de Pérolas” é uma obra extremamente delicada, com poucos personagens e marcada por melodias que ganharam vida própria. 

A ária do “Je crois entendre encore” é um show à parte. Fernando Portari (Nadir) – um dos mais renomados cantores líricos do País -, conduziu o público ao êxtase, num desempenho irretocável que, aliado às imagens cinematográficas, perpassava delicadeza e sonho.

A orquestração, muito elegante, cheia de referências à musicalidade oriental, numa atuação impecável da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP), regida pelo maestro Miguel Campos Neto. Momentos de grande emoção e de verdadeiras explosões musicais foram experimentados pela plateia. Vale destacar que o Coro Lírico do Theatro da Paz, sob a regência do maestro Vanildo Monteiro, a cada ano se supera em qualidade. Atuou de forma irrepreensível, inclusive dançando e se espalhando entre a plateia, um dos pontos altos do espetáculo.

Em águas ora borbulhantes, ora plácidas e ora revoltas, em campo à luz de um céu estrelado com ventania, as imagens se sucediam traduzindo todo o emaranhado de sentimentos dos personagens em cena. A leveza d’alma, a paixão, o desassossego, a aflição e o medo pareciam palpáveis. Detalhes como a névoa do incenso em cena da soprano Camila Titinger criavam suavidade e clima onírico. 

O cenário, com objetos simples feitos em miriti, redes de pescar, matapis e objetos de palha, fez um paralelo com a realidade ribeirinha amazônida. Ilha do oceano Índico, ao sul da Índia e a nordeste das Maldivas, o Sri Lanka já foi colônia árabe, portuguesa, holandesa e inglesa. Passou do hinduísmo ao islamismo e seguidamente ao budismo, religião da grande maioria ainda hoje. O povo de lá – tal como no Pará – é formado por gente simples e alegre. Pele morena bronzeada de sol, cabelos negros como o ébano e sorriso fácil. Um lugar exótico, cercado de paisagens incríveis e praias paradisíacas, com uma selva tropical. Os panos indianos remetiam ao colorido das redes no interior parauara. Lindo demais. 
O enredo é centrado em  Zurga, interpretado pelo barítono Leonardo Neiva, e Nadir, papel do tenor Fernando Portari, que disputam o amor da mesma mulher, a bela sacerdotisa Leila, vivida pela soprano Camila Titinger. Completa o grupo de solistas o baixo barítono paraense Andrey Mira, o sacerdote Nourabad, todos aplaudidíssimos de pé.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *