Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

MPF quer barrar licitação de flonas

O Ministério Público Federal requereu que a licitação para a concessão de três unidades de manejo florestal nas florestas nacionais Itaituba I e II, no sudoeste do Pará, feita pelo Serviço Florestal Brasileiro, seja suspensa até a realização de estudo antropológico sobre as comunidades locais e a possibilidade de manutenção da floresta disponível para concessões de manejo florestal. Argumenta que o edital ignorou informações do próprio plano de manejo de que há famílias indígenas e não indígenas e patrimônio arqueológico nessas áreas.
A ação foi ajuizada hoje na Justiça Federal em Itaituba. O MPF também pede a elaboração de estudo para localização e identificação de sítios arqueológicos e que a Justiça Federal obrigue a União e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) a adequar o plano de manejo das flonas à necessidade de regularização fundiária, caso o estudo antropológico comprove essa necessidade, além de readequar os limites ou, se necessário, reclassificar a espécie de unidade de conservação das flonas Itaituba I e II.
Caso as áreas permaneçam como flonas, o MPF quer a redefinição das unidades destinadas à concessão florestal, a fim de não prejudicar a população tradicional residente e o povo indígena ocupante de área contígua e no interior das flonas. Atualmente as três unidades de manejo compõem uma área de 295 mil hectares.
Por fim, o MPF requer que a União e o ICMBio façam consulta prévia aos povos afetados, de acordo com o que estipula a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

Para o MPF, ao ignorar informações do plano de manejo e publicar um edital que omite ou minimiza informações sobre a presença na área de indígenas, não indígenas e de patrimônio arqueológico, a União viola direitos das comunidades tradicionais, a legislação relativa ao patrimônio histórico e arqueológico e ainda os princípios da boa fé e da moralidade administrativa.
Uma das omissões do edital é a referência do plano de manejo à terra indígena Sawré Muybu, de
ocupação tradicional do povo indígena Munduruku. A demarcação da área se arrasta há 14 anos e foi paralisada inexplicavelmente em 2013, quando quase todos os trâmites administrativos já estavam concluídos. O MPF move ação na Justiça para cobrar da União a demarcação.

Em relação à flona do Crepori, também em Itaituba, em novembro do ano passado o MPF ajuizou ação para anular a licitação da concessão de manejo florestal em quatro unidades da flona, totalizando 440 mil hectares de florestas. Assim como nas flonas Itaituba I e II, o edital da flona Crepori escondeu a existência de populações tradicionais e indígenas vivendo no interior da área e utilizando a floresta. 

Vejam a íntegra da ação aqui (processo nº 0000429-87.2015.4.01.3908).

Façam o acompanhamento processual aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *