Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Infância, cidadania e dignidade roubadas

O  bispo da Prelazia do Marajó, Dom José Luís Azcona Hermoso, reuniu ontem com o promotor de Justiça de Portel, André Cavalcanti de Oliveira, o juiz titular do município, David Guilherme de Paiva Albano, e duas irmãs da Fraternidade Ágape da Cruz, instituição católica de acolhimento para crianças locais. Pela undécima vez, Dom Azcona relatou a situação de violência e exploração sexual  de crianças e adolescentes no arquipélago marajoara e expôs sua preocupação com as causas sociais em todo o Marajó, em especial com as políticas públicas relacionadas à infância e juventude e, ainda, os constantes casos de abusos sexualis envolvendo crianças e adolescentes. Também ressaltou a necessidade da presença do poder Judiciário e do Ministério Público na região do Marajó para transformação da realidade social. 


Aliás, em reunião com a Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, da qual Dom Azcona é o bispo acompanhante, o procurador geral de Justiça, Marcos Antonio Ferreira das Neves, prometeu que assim que os novos promotores assumissem suas comarcas no Marajó haveria uma reunião com a CJP para traçar estratégias de combate a esses crimes hediondos que roubam a infância, a cidadania e a dignidade humana. Mas até a agora nada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *