A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Ictiofauna do Marajó ameaçada

As consequências da suspensão durante 120 dias do período do defeso para pesca em várias bacias hidrográficas do País -inclusive a do rio Amazonas -, podem ser funestas. Na prática, a portaria conjunta dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Meio-Ambiente libera completamente a pesca de vários peixes e de ostras, mesmo que estejam em período reprodutivo, a piracema, quando os peixes sobem o rio para desovar. O deputado Carlos Bordalo(PT) se manifestou da tribuna da Alepa em protesto a essa decisão e o presidente da Casa, deputado Márcio Miranda(DEM), já marcou reunião-almoço após a sessão ordinária da próxima terça-feira, tendo como convidados o Ministério da Agricultura, Secretarias de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade e de Agricultura e Pesca, Ibama, MPF-PA, MPE-PA, UFPA, UFRA e UEPA.

No arquipélago do Marajó, por exemplo, a grande diversidade aquática está principalmente ligada a seu sistema de marés, que gera vários habitats. Sua ictiofauna é das mais ricas do mundo, com mais de 300 espécies diferentes e até agora só 254 catalogadas, de oito famílias diferentes. A reprodução dos peixes e o período de pesca são os mais afetados por isso. Na época de cheia a pesca fica mais difícil devido à dispersão dos peixes, enquanto que na época de seca a pesca é facilitada pela alta concentração de peixes para pouca água. A reprodução dos peixes não é na mesma época, devido ao grande número de espécies diferentes, varia de espécie para espécie. O poraquê, por exemplo, se reproduz no final da época da cheia, enquanto o cambotá se reproduz no começo da época da cheia. 

Incrível é que o arquipélago do Marajó é das regiões mais ameaçadas da Amazônia, em termos de sua ictiofauna, e é uma das menos protegidas. A maioria das suas atividades econômicas, por ser sem controle, é prejudicial. Em 1989 foi criada a Área de Preservação Ambiental (APA) do Marajó, mas esse modelo tem se revelado pouco prático em longo prazo. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *