Em 17 de agosto é celebrado o Dia do Patrimônio Histórico. A Lei nº 378/1937, no governo Getúlio Vargas, criou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a fim de proteger e preservar os bens culturais do país, marcando…

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse…

O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Gabriella Florenzano & convidados encantam no MEP

FOTOS: JEAN BRITO
A Sala das Artes do Museu do Estado do Pará foi o cenário, ontem à noite, do concerto da cantora lírica Gabriella Florenzano ao lado do pianista e maestro Nelson Neves, regente da Amazônia Jazz Band; do clarinetista, flautista e saxofonista Marcos Cardoso Puff; do percussionista Márcio Jardim e do violonista e guitarrista Lucas Imbiriba. O repertório, eclético, agradou em cheio. 
Gabriella começou com um encadeamento de composições do maestro Waldemar Henrique inspiradas nas lendas amazônicas: “Tamba-Tajá”,”Cobra Grande”, Matinta Perera” e “Uirapuru”. No passeio musical, veio o solo de percussão “Der Tod und das Mädchen”, de Franz Schubert, por Márcio Jardim, e o solo do clarinete de Marcos Cardoso Puff, um show à parte. Na sequência, Gabriella interpretou “Madrid”, de Pauline Viardot; “L’amour est un oiseaux rebelle”, uma das árias de ópera mais famosas do mundo, de George Bizet (Carmen), e “Le tringles des sistres tantaient”, também da ópera Carmen, de Bizet; “The Negro Speaks of Rivers”, de Howard Swanson, Summertime e I Got Rhythm, de  George Gershwin, e arrebatou a plateiaLucas Imbiriba solou lindamente ao violão composição de Salomão Habib, e o maestro Nelson Neves executou solo impactante ao piano, arrancando aplausos entusiasmados. 
Quem chegou cedo aproveitou para apreciar a beleza arquitetônica do Museu do Estado do Pará e as obras de arte espalhadas por toda a belíssima edificação: armas, porcelanas, fotografias, prataria, acessórios, esculturas e quadros de renomados artistas, inclusive o acervo arqueológico, em exposição permanente. 

A gestão do artista plástico Sérgio Melo e seu vice-diretor, o museólogo Antonio Eutálio Corrêa, escancarou as portas do palácio Lauro Sodré à população, democratizando o acesso popular às artes e aproximando os artistas do público. O projeto Bravíssimo é uma realização do Governo do Estado, via Secretaria de Estado de Cultura e Sistema Integrado de Museus e Memoriais do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *