Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Comissão da Verdade do Pará faz oitivas

A Comissão da Verdade do Pará faz a oitiva, hoje, de Aurilea Abelem e Dulce Rosa Rocque, no Seminário “As mulheres e a resistência à ditadura no Pará”. Ambas contarão em audiência pública a experiência vivida e o processo de resistência, sob a ótica feminina, num dos períodos mais sombrios de nossa história recente. Será a partir das 15h, na Sala VIP da Assembleia Legislativa,  e qualquer pessoa pode assistir.

Em 1964 Dulce Rosa de Bacelar Rocque cursava a Faculdade de Economia, na UFPA, quando foi cooptada pelo PCB para realizar atividades necessárias ao conhecimento da situação nas prisões. Pouco a pouco se entrosou em estratégias de resistência ao golpe civil-militar. Como não tinha qualquer ligação conhecida  com os partidos e grupos políticos que caíram na clandestinidade, conseguiu circular por Belém sem levantar suspeitas e arrecadando, inclusive, finanças para o PCB entre intelectuais, comerciantes e industriais. Sua ida em 1969 para a URSS para concluir estudos e seu casamento com um membro do Partido Comunista Italiano fizeram-na agir na Europa em defesa da redemocratização do País. Suas lutas aconteciam principalmente no verão, durante os festivais do jornal L’Unita, do PCI, onde, além de denunciar a situação da ditadura, recolhia assinaturas em cartas de denúncia que eram envidas ao Brasil e a jornais internacionais e embaixadas europeias. Foi desaconselhada a voltar ao País por ter seu nome e fotografia nos aeroportos depois de uma viagem de Filinto Muller à Europa. Sabia que sua prisão incorreria tortura e risco de vida para sua família e para as personalidades brasileiras no exílio que conhecia e frequentava. Retornou em 2005 para o Brasil e se fixou em Belém, onde ainda hoje luta pela aplicação das leis relativas a direitos humanos e à defesa do Patrimônio Histórico por meio da Associação de moradores Cidade Velha-Cidade Viva e do blog Laboratório da Democracia, além de ativismo nas redes sociais. 

Casada com Jorge Abelém, Auriléa Gomes Abelém tinha o projeto de assistir desfavorecidos e perseguidos políticos do regime ditatorial de 1964. Sua entrada em 1963 para a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da UFPA, fê-la perceber mazelas e injustiças sociais. A obra “Urbanização e Remoção: por que e para quem?”, consequência do Mestrado no Núcleo de Altos Estudos da Amazônia, é exemplo de engajamento junto aos menos favorecidos das periferias de Belém. Assim, em conluio com o marido, criou escritório de advocacia para gerar empregos aos dissidentes políticos, tidos como subversivos. Atuou no magistério superior, sempre preocupada em emprestar e impregnar sua postura humanística à formação política dos acadêmicos. Apesar de não ter sido filiada a qualquer partido político de esquerda, sua atuação de solidariedade a insere dentre os importantes quadros de ajuda ao processo de resistência à ditadura.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *