O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Cevital tem projeto siderúrgico em Marabá

Será na próxima segunda-feira, dia 7, a primeira reunião do grupo de trabalho que vai discutir a implantação do complexo siderúrgico de Marabá, no sudeste do Pará. Na ocasião, a companhia argelina Cevital apresentará formalmente projeto de uma siderúrgica, em parceria com a Vale. Parte da produção viabilizaria o polo metal-mecânico de Marabá, e a outra parte seria destinada à exportação, escoada via rio Tocantins, em pequenas barcaças – que podem navegar a maior parte do ano mesmo sem o derrocamento do Pedral do Lourenço – e por outros modais, inclusive a ferrovia. O investimento geraria dois mil empregos diretos, além de 10 mil indiretos, quando em operação. O grupo, presidido pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, tem dez membros, indicados pelo governo do Estado, Vale, Assembleia Legislativa, Federação das Indústrias do Pará, Associação Comercial e Prefeitura de Marabá.  

A Cevital já tem planos de investir na cadeia produtiva do agronegócio (agricultura, pecuária, beneficiamento de soja) e também nos setores logístico e de siderurgia de diversos municípios do Pará, como Vila do Conde(Barcarena), Paragominas, Santana do Araguaia, Marabá e Santarém. Pretende, ainda, integrar um consórcio para disputar a concessão da Ferrovia Paraense (Fepasa) e fornecer os trilhos por meio de sua siderúrgica na Itália, projeto que está na fase de estudos do impacto ambiental. 

O primeiro projeto deverá ser implantado na área do porto de Vila do Conde, que receberá uma refinaria de óleos vegetais e uma linha de produção de ração para gado. A criação de um frigorífico para exportação de carne para a Argélia também está nos planos da empresa. O aporte desses recursos foi negociado desde o início deste ano pelo secretário de Estado Adnan Demachki, nomeado pelo governador Simão Jatene principal interlocutor do governo junto ao setor produtivo.

A Vale, por sua vez, continua a conversar com Adnan Demachki, que avalia terem as negociações avançado, de forma que atenda aos interesses do Pará. A mineradora agora concorda em não mais vincular a execução da siderúrgica em Marabá a várias condicionantes, como, por exemplo, o derrocamento do pedral do Lourenço, prometido pelo governo federal há mais de cinco anos, para viabilizar a hidrovia Tocantins-Araguaia, e nunca cumprido (o edital, lançado recentemente, não encontrou interessados, diante do preço subdimensionado). 

Malgrado a localização estratégica dos portos do Pará, muito próximos da Europa, EUA e África,  os produtos brasileiros perdem competitividade face à distorção da matriz de transportes, que chega a dobrar de preço por causa do custo do frete rodoviário, paradoxo histórico que está finalmente posto em evidência nacional.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *