Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Caos no Hospital Metropolitano

Pacientes em macas
nos corredores, enfermarias improvisadas onde deveriam funcionar consultórios, aparelhos
de raios X, tomografia computadorizada e de ressonância magnética sem
funcionar, falta de medicamentos há meses. Até uma UTI de dez leitos teve que
ser improvisada.  Esse é o cenário de caos no Hospital Metropolitano de
Belém, que em priscas eras foi
considerado modelo de atendimento aos pacientes de trauma.
A constatação foi
feita por diretores do Sindicato dos Médicos do Pará que, após
sucessivas denúncias dos profissionais que trabalham no local, realizou visita
técnica ao hospital na última quarta-feira.  
O Metropolitano é um
hospital do Estado, administrado pela Organização Social Idesma, da qual é dono
o ex-deputado Luiz Afonso Sefer, que perdeu o mandato e chegou a ser condenado
a 21 anos de prisão por estupro de uma criança de 9 anos. A OS tem contrato de
60 meses e recebe R$ 7 milhões por mês dos cofres estaduais. 
O Sindmepa vai levar
o caso ao Conselho Estadual de Saúde, Ministério Público Estadual, Ministério
Público Federal e Ministério da Saúde e recomendar às autoridades medidas urgentes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *