Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Camargo Corrêa condenada em Marabá

Além da queda, o coice. Depois de sofrer 26 autos de infração durante fiscalização da gerência regional do Ministério do Trabalho e Emprego, a Camargo Correa foi condenada pelo juiz Pedro Tupinambá Neto a pagar R$200 mil – acrescidos de juros de mora e correção monetária – por danos morais coletivos, valores reversíveis a entidade assistencial sem fins lucrativos. Além disso, a construtora terá que providenciar a avaliação quantitativa da exposição aos riscos ambientais nas obras sob sua responsabilidade no município de Marabá; adotar medidas de proteção de caráter complementar de acordo com a NR-9 (norma regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego); pagar adicional de insalubridade aos seus empregados quando devido; quitar salários até o 5º dia útil do mês subsequente à prestação dos serviços, mediante recibo; cumprir a legislação relativa ao FGTS; e pagar verbas rescisórias aos empregados dispensados dentro do prazo previsto em lei. 

A empresa foi alvo de ação civil pública (ACP 0010173-21.2015.5.08.0128) ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em Marabá. O MPT chegou a propor acordo extrajudicial, por meio de Termo de Ajustamento de Conduta, mas a empreiteira não quis conversa e acabou se dando mal. Primeiro, a 3ª Vara do Trabalho de Marabá concedeu liminar determinando as mesmas obrigações impostas à construtora agora de forma definitiva. Caso descumpra os termos da decisão, será cobrada multa de R$ 5 mil por item, e R$1 mil por cada trabalhador que venha a ser encontrado em situação irregular, com valores reversíveis ao Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT. 


Leiam a íntegra da sentença aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *