Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Cacique preso sem chance de defesa

A prisão preventiva do cacique Elton Suruí, importante liderança da etnia Aikewara – também conhecida como Suruí do Pará – está mobilizando todos os movimentos sociais pela sua imediata libertação. O líder indígena foi preso ontem, em Marabá, por agentes da Polícia Federal e trazido hoje para Belém, onde está recolhido na delegacia da PF, na Av. Almirante Barroso, sem que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Ministério Público Federal tenham sido ouvidos pelo juiz federal Heitor Moura Gomes, que decretou a prisão. 

O MPF-PA já enviou à Justiça Federal de Marabá pedido de reconsideração, argumentando que não estão presentes os requisitos mínimos que justifiquem a prisão preventiva. O cacique Elton Suruí vem conduzindo, desde 2013, uma série de mobilizações reivindicando a solução de problemas no atendimento à saúde do povo indígena e a compensação pela construção da BR-153, que corta a terra indígena. Os protestos, por várias vezes, ocorreram com a presença de outras etnias, também prejudicadas pela precariedade do atendimento prestado pela Secretaria de Saúde Indígena, ligada ao Ministério da Saúde.
Por fatos supostamente ocorridos no dia 5 de agosto, a delegacia da Polícia Federal de Marabá abriu um inquérito, datado do último dia 22 de setembro. No último dia 2 de outubro, o delegado responsável pela investigação enviou pedido à Funai de Marabá para que o cacique Elton comparecesse à delegacia e agendou o depoimento para o dia 3 de fevereiro de 2015. Mas, duas semanas depois, a autoridade policial representou pela prisão preventiva, sem qualquer fato superveniente nos autos.
De acordo com relatos da mídia local, o cacique compareceu à Funai anteontem (29) para se informar sobre o inquérito e foi abordado por agentes da Polícia Federal, que cumpriram imediatamente o mandado de prisão preventiva. 

“Se não há urgência em ouvir o investigado, se não há prova de comoção social, se não há indício nem mesmo relato de coação a testemunha e se o investigado não indica intenção de ausentar-se do local dos fatos, qual o motivo determinante da necessidade de segregação cautelar?”, questiona o MPF, apontando jurisprudência do Supremo Tribunal Federal que só admite prisão preventiva após demonstração da gravidade concreta dos fatos e não apenas questão abstrata, suposta ou pressuposta. 

O processo é o de nº 6786-41.2014.4.01.3901 .

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *