Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Adjunto da Segup condenado à prisão

Antônio
Cláudio Fernandes Farias, ex-diretor de Pessoal do Centro Federal de Ensino
Tecnológico do Pará (hoje Instituto
Federal de Educação, Ciência e Tecnologia) no período de 1993 a 2001
e
atual secretário adjunto de Inteligência e Análise Criminal do Pará, foi sentenciado a cinco anos de reclusão, pelo juiz
Rubens Rollo, titular da 3ª Vara Federal, por peculato (apropriar-se o
funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou
particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito
próprio ou alheio).


Poucas vezes vi um órgão com tantas
irregularidades quanto o hoje extinto Cefet/PA. O caso dos autos, além de
prevaricação e nepotismo atingiu também o peculato. Usou-se a Lei nº 8.745, de
09.12.1993, com fundamento na excepcionalidade do interesse público e sua
temporariedade para contratar amigos e parentes da cúpula. 
Os dirigentes responsáveis pelo
fato concorreram para que servidores se apropriassem de dinheiro público,
embora não tendo a posse do dinheiro, valendo-se da qualidade de funcionário
”,
frisou o magistrado. 
Leiam a sentença na íntegra aqui.
Com o secretariado que
escolheu e mantém, o governador Simão Jatene não precisa de adversários para sujar a
imagem do Pará. Na semana passada, economistas fecharam a rua em frente à Sepof
protestando contra o secretário de Planejamento do Estado, acusado de desvio de
recursos do Conselho Regional de Economia. Agora o adjunto da Segup é condenado
a prisão. E o secretário de Comunicação, Ney Messias, foi parceiro no esquema de Chico Ferreira – o mandante
do assassinato dos irmãos Novelino e homem-bomba
que acaba de sair da cadeia -, na empresa Interative de call center. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *