Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

A pelada do Lago Azul

Durante uma década, da metade dos anos 1950 aos 1960, era sagrada a nossa “pelada” no Lago Azul, todo sábado à tarde e nas manhãs de domingo. Os peladeiros podem ser vistos na foto, que é histórica. Em pé: Agenor Machado, Leônidas Figueiredo, Décio Esteves, Jarbas Passarinho, Enio Ledo, Djalma Dias, Borges Leal. Agachados: Lima, Amauri Nunes, Ronaldo Passarinho, Edyr Proença, Heráclito e Kasseb.

Éramos todos muito amigos. Não havia juiz. E nem precisava. Jarbas, antes do nosso primeiro jogo pediu – e foi atendido – que se a bola tocasse nas mãos de um de nós deveríamos nos acusar. A lição foi uma aula de honestidade, seguida por todos.

Essa gostosa pelada teve seu final em meados de 1964 quando Jarbas assumiu o Governo do Estado. Edyr Proença, em uma deliciosa crônica na sua coluna em “A Província do Pará”, intitulada “ Opinião não se discute”, fez um apelo para a continuidade da nossa diversão e propôs, em tom jocoso, que se houvesse falta no Governador, ainda que fosse no meio de campo, seria pênalti.

Tempos de saudades imorredouras.

Como disse, todos eram amigos que levavam outros amigos. Não tínhamos problemas de sobrepeso e outros que são comuns hoje em dia. Naquela época, a gente se alimentava com comida de verdade: feijão, arroz, carnes, peixes, tudo natural e com frescor. Nada de conservantes e embutidos, sequer consumíamos bebidas alcoólicas após o jogo de sábado e nem exagerávamos no jantar porque queríamos estar em forma no dia seguinte. Até a nossa cabeleira era farta.

A pelada nos uniu. Dois parentes, tio Saint Clair e seu filho Arnaldo, não estão na foto. Saint/Clair era irmão mais velho do tio Jarbas e de minha mãe, Marisanta. Uma curiosidade: graças aos parentes e aderentes o time de pelada era chamado de PAC – Passarinho Atlético Clube.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *