Conheça o Pará

SESQUICENTENÁRIO DA CAPITAL DO MARAJÓ
Conhecida como a “Capital do Búfalo”, Soure comemora 150 anos de emancipação política na próxima terça-feira, dia 20. Para marcar a data, o município pretende transformar esse fato histórico num marco do início de uma trajetória de resgate e manutenção das características originais da cidade que foi projetada pelo urbanista Aarão Leal de Carvalho Reis, o mesmo que planejou Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. A festa começa nesta sexta-feira (16) e se estende até o domingo (25).

A programação deste ano será descentralizada com ações sociais, desportivas e culturais nos oito bairros da cidade. Entre as atrações principais, haverá torneio de basquetebol a cavalo, corrida de búfalo e luta marajoara, além de apresentações de tradicionais grupos folclóricos como os Aruãs Curumins, Boi Bumbá Pingo de Ouro e Tambores do Pacoval e apresentações de cantores locais e de bandas e grupos de rock. No dia 20, haverá alvorada, missa e a população cantará o “parabéns pra você” na terceira rua.

Soure fica na costa leste da Ilha de Marajó e tem como principais atrativos as praias de Pesqueiro e Araruna e as tradicionais fazendas de búfalo da região. Com grande potencial turístico, o município é um dos poucos da região a oferecer uma boa infraestrutura de atendimento aos visitantes.

História - Monforte, o povoado que deu origem a Soure, era habitado por índios maruanazes e mundis, pertencentes à tribo dos Aruãs. No início do século XVII, com a chegada dos padres de Santo Antônio, o povoado passou a se chamar de Menino Deus. O nome Soure foi dado pelos primeiros colonizadores portugueses, oriundos de uma antiga vila de Concilia, do Distrito de Coimbra, que era chamada, no tempo dos romanos, Saurim, por causa da presença de sáurios ou jacarés. Ao perceberem que em Menino Deus também havia muitos jacarés, eles resolveram dar esse nome em homenagem a sua terra natal em Portugal, e ficou então Soure.

Em 1757, Soure foi elevada à categoria de Vila pelo seu fundador, Francisco Xavier de Mendonça Furtado (irmão do Marquês de Pombal), na época 19º governador e capitão general do Estado do Maranhão e Grão Pará. Soure fazia parte então da Comarca de Monsarás. Somente em 2 de setembro de 1858 o Conselho da Província do Pará determinou que a Câmara de Monsarás marcasse as eleições para a nova Câmara de Soure. A apuração da votação dos Vereadores ocorreu em 7 de janeiro de 1859 e no dia 20 do mesmo mês foi feita a instalação definitiva do Município de Soure.

Além de igrejas, coretos, praças e casas antigas e belas praias, Soure chama a atenção por suas ruas largas e sombreadas por mangueiras, denominadas por números. Como em Nova York, a cidade também tem uma Quinta Avenida. O búfalo é o grande símbolo do município, eles pastam tranquilamente pelas ruas da cidade e são utilizados como meio de transporte.

A pecuária é a principal atividade econômica do município, que possui grandes rebanhos de búfalos, bois, cavalos e porcos. O queijo marajoara, do leite de búfala, é um dos produtos mais apreciados do local. Na agricultura se destacam a produção de coco e frutas nativas como bacuri, murici, abricó, sapotilha e cajarana, entre outras. A pesca e extrativismo de caranguejo também são importantes para a economia do município que exporta cerca de 10 mil crustáceos por mês.
(Raimundo Sena)


Clique na imagem para ampliar


        Imprimir página