Denis Cavalcante

Viajar é preciso

Ao apagar das luzes do mês de julho, me vi obrigado a engolir um mala sem alça. Sabem aquele sujeito que se apraz em aporrinhar seu semelhante? Pois é. Imprensado na fila de um supermercado, não tive como escapar. Puxando assunto, ele perguntou: “Você não vai viajar? “Não. Aproveitarei para ler, escrever, arrumar minhas tralhas.” “Que programa insosso. Estou indo pra China.”

Me deu uma vontade danada de mandá-lo pra Cochabamba. China? Que eu saiba, ele mal falava o português. Mandarim, então – nem pensar! Será que ele imagina o que lhe espera do outro lado do planeta? Carne de cachorro, macaco guisado, gafanhoto torrado? Fechei os olhos e visualizei a cena. Ele e uma leva enlouquecida de turistas, numa excursão mambembe, galgando as íngremes e tortuosas muralhas chinesas. Vai que é tuaTaffarel!

Ao contrario da maioria, prefiro viajar sem lenço e sem documento pelo Brasil. Hospedarias simplórias, comida caseira. Querem saber a verdade? Apesar dos pesares, foi assim que conheci a Chapada de Guimarães, o interior de Minas e sua cozinha incomparável. O Nordeste, o litoral paulista e suas praias paradisíacas. Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do sul. Que saudades de Caxias do Sul – a festa da uva, frango com polenta, os chocolates de Gramado.

Bom mesmo e botar o pé na estrada, trocar pneu, comer em espelunca, dormir numa birosca, conhecer vilarejos, trocar ideias com os moradores. Qual e a graça de viajar na viagem dos outros? Acreditem: tem um montão de gente que só viaja desse jeito. Quando vejo as colunas sociais anunciando os périplos dos novos-ricos, fico penalizado. Depois não sabem por que o fisco cai de pau em cima deles. Queriam o quê? Fulano comprou uma lancha de 200 pés, uma Mercedes de 12 cilindros, passou o réveillon em Monte Carlo – olha o Sérgio Cabral. Será que nunca ouviram falar sobre sinais aparentes de riqueza? Milionário que se preza não faz isso. Vocês já viram alguém noticiar viagens de João Paulo Lemann, Joseph Safra, Ermírio de Morais? Novo rico é florida! Adora aparecer.

Um dia desses, li uma nota hilária no jornal. Como é que existem pessoas que tem a cara de pau de pagar pra ser noticia? Fulano de tal foi convidado e aceitou participar de um Congresso em Bali. Desde quando alguém é convidado pra Congresso? Que eu saiba, só indivíduos de notório saber são convidados a ministrar palestras pelo o Brasil e no exterior. A arraia miúda, paga inscrição, parcela a passagem, a hospedagem, assiste à palestra inicial. Se esbalda como pinto no lixo, recebe o certificado, compra souvenir, volta pra casa devendo os tubos e não apreende lhufas.

No instante em que colocam o pé em Belém, reúnem a patuléia ensandecida, distribuem brindes de 1,99, contam vantagem. “Bali é sensacional!” Como a maioria dos bajuladores nunca ouviu falar, sequer imagina em que continente fica Bali, aplaude e engole as potocas. Para aqueles que almejam seus quinze minutos de fama, uma dica de suma importância. Escolha um local inóspito, tipo Cazaquistão, Alasca, Madagascar… Antes de viajar, contrate um assessor de imprensa. Não se esqueçam das fotos. Feito isso, é só aguardar.

Por essas e por outras, prefiro ficar na minha. Quando o sufoco passar, quando a turba retornar, da China, Paris, Nova Iorque e coisa tal, sigo na contramão e vou pra Mosqueiro. Cerveja gelada, peixe barato, caranguejo graúdo, estrada vazia… Na boa – Sem grito.

Denis Cavalcante é escritor e membro da Academia Paraense de Letras.

 

Compartilhe:

Campanha
Apoiadores
campanha