Tiro e Queda

Coronel Ponciano mal ouve o barulho da voadeira como que adivinha: Coronel Ponciano mal ouve o barulho da voadeira como que adivinha: -Um, Santinha, lá vem o peste loroteiro de novo. -Também não é assim, Ponce – tenta ajeitar as coisas, D. Santa. Ela sempre usava o Ponce, em vez de Ponciano, quando queria abrandar o marido. Mas parece que daquela vez a lisonja não ia funcionar. -E, por favor, Santa, não me chame mais de Ponce, não na frente desse fedelho metido a bosta.                   -Não fale assim, pode bem um dia ser nosso genro. O coronel alisa o bigode e dá uma cusparada tipo espuma de sabão em pó. Sinal de que já havia assaltado a garrafa da branquinha no esconderijo da despensa. -Genro? Tu disse, genro? Fecha a mão e ajunta um soco no parapeito da varanda. -Nunca! Só depois de passar por riba de meu cadáver! -Calma, Ponce, o moço tá chegando.                 -Já te disse, não me chame de Ponce! -É um rapaz fino, Ponciano. -É um bom dum filho da mãe! -Disfarça, vem ele subindo a ribanceira. O coronel vai até o fundo da casa e grita em forma de berro pro capataz: -Leocádio, prende o Tracuá! Bebeto – esse o nome do pretenso noivo de Paulina, a filha do coronel – abre efusivamente os braços e acolhe D. Santa. Na namorada, um discreto beijo vigiado na face; no temido coronel, um aperto de mão não correspondido. Bebeto e Paulina conheceram-se em Belém enquanto ela tirava um tempo de passeio na casa de uma prima. Ele, de família tradicional e advogado de futuro, ela, prendada por obra e graça de D. Santa. Arranhava, também, sem nenhum talento, o piano, como quase toda moça da época. A partir desse tempo e após o retorno de Paulina, começaram as visitas à fazenda. Bebeto pegava em Belém o catalina da Panair, descia no porto de Óbidos e tomava emprestada a voadeira do seu Magalhães, o gerente da Companhia de Aniagem. Passava dois dias, quando não, três, e voltava. Muito falante, dando lição, foi de encontro ao gênio explosivo do coronel Ponciano: homem que, antes de tudo, gostava de ser obedecido, de fazer valer sua autoridade, de dominar. Daí que as provas aumentavam a cada visita e Bebeto traçava, para irritação do coronel, todas. O primeiro desafio foi na ferra. A mais famosa e concorrida da redondeza. Coronel Ponciano viu o Dr. Bebeto agarrar boi pelo rabicho, laçar quantos bezerros pulassem no lavrado e castrar garrote sem um pingo de sangue. -Tou acostumado, coronel, na fazenda do meu pai, no Marajó… Coronel Ponciano morria de vontade de mandar ele tomar naquele lugar, mandar ele fazer sujeira noutra sentina. E assim foi. Uma por uma das arrumações do coronel, o rapaz, ingenuamente, foi tirando de letra, pensando que tava com tudo e não tava prosa. Na travessia do igarapé, corredeira feia, desafiou todos os vaqueiros deixando o segundo colocado mais de três corpos de diferença. Fez fama atirando pato no vôo com cartucheira de repetição, enquanto o coronel ainda usava a passarinheira de carregar pela boca. Lambava na poeira tudo que era de caboclo metido a lutador. “Luto jodô, coronel”. “Sou campeão de tiro, coronel”. “Já pratiquei natação, coronel”. “Boi bravo é comigo mesmo, coronel”. Na penúltima visita tinha sido pior. O lambanceiro apareceu com uma porção de mágicas e, à noite, armou um espetáculo reunindo a família da moça e os caboclos da redondeza. Pelas tantas, fez um gesto grotesco por trás, tirando um ovo da bunda do futuro sogro. Coronel Ponciano nunca havia passado na vida tanta humilhação. -Santa, qualquer dia eu viro bicho! Isso, acima de qualquer outro episódio, o tornou tão intragável naquele final de manhã, quando o saltitante Dr. Bebeto apontou na testa da ribanceira. -Leocádio, deixa o Tracuá, pega primeiro o Alazão! A seguir dirige-se ao moço: -Seu Bebeto, o senhor que é montador, não quer exprementar o Alazão? -É pra já, coronel! D. Santa protesta: -Homi, deixa o moço, Ponce… O coronel leva a mão no ouvido da mulher e segreda: -Ponce é a puta que pariu! Foram todos pra beira do curral. Demonstrando total tranqüilidade, Bebeto pula no fogoso potro, firma-se na rédea e manda soltar. Não deu outra: o bacharel grudado na sela como chiclete, enquanto o potro saltava pra todos os lados num ritual demoníaco. Bebeto deu na mochinga e cutucou na espora até que o alazão foi desistindo, parando dominado. -Fácil, coronel, tem outro? O coronel espumava. -Leocádio, pega o Tracuá! Tracuá era um cavalo baixinho, esmirrado e meio velhusco, transmitindo, quando muito, uma imagem de aposentadoria e um sentimento de pena. Bebeto deu uma gargalhada. -Mas esse, coronel, esse pangaré velho? -Vá, seu Bebeto, expremente! -Será que o pobre agüenta? -Expremente, vá! Bebeto montou e o cavalinho ali, paradão, pedindo pra morrer. Aí, num gesto repentino, coronel Ponciano tira da cintura a parabela cano longo e dispara um tiro pra cima. Tracuá dá três relinchos, sai jogando desenfreado e parece querer virar o mundo do avesso. A futura sogra, a namorada e o satisfeito coronel, assistem o doutorzinho sair voando da sela, indo estatelar-se de bunda num beiju de merda de boi. O coronel ergue o rapaz. -Tá bom do senhor tomá um bom banho, seu doutor Bebeto!                 Dentro de casa, o velho Ponciano chama a mulher. -Santa, vá tratando de preparar o casamento da Paulina. Será a maior festança que alguém por muito tempo há de ouvir falar nesta região. E, alisando o farto bigode: -Sabe, Santinha, ele não é de todo um mau rapaz, um dia inda acabo gostando desse doutor Bebeto! -Puxa, Poncinho, assim é que se fala.

Compartilhe:

Campanha
Campanha
Campanha
campanha
Apoiadores